Oliver Stone examina nova América Latina com "Ao Sul da Fronteira"

Oliver Stone examina nova América Latina com "Ao Sul da Fronteira"

Pedro Aguiar

A chamada "guinada à esquerda" na América do Sul, processo político iniciado na virada do século, até hoje tinha sido narrada, comentada e interpretada principalmente pela grande mídia, majoritariamente de viés conservador. Agora, as mudanças sociais, políticas e econômicas no continente são contadas pelo ponto de vista dos próprios países que as vivem, no novo documentário do cineasta Oliver Stone, Ao Sul da Fronteira (South of the Border), que estreia esta sexta-feira (4/6) em circuito comercial no Brasil.

Os personagens são conhecidos da opinião pública, mas poucas vezes tiveram chance de falar na mídia, especialmente na norte-americana, com suas próprias vozes. Em uma hora e quarenta minutos, o filme mostra conversas de Stone com Hugo Chávez (Venezuela), Evo Morales (Bolívia), Cristina e Néstor Kirchner (Argentina), Fernando Lugo (Paraguai), Luiz Inácio Lula da Silva (Brasil), Rafael Correa (Equador) e Raúl Castro (Cuba), em climas que vão desde a análise política e histórica até momentos descontraídos - como Evo jogando futebol e Chávez levando um tombo de uma bicicleta.

Trailer de Ao Sul da Fronteira:


Com roteiro de Tariq Ali, um dos mais importantes historiadores contemporâneos, e de Mark Weisbrot, economista crítico dos processos de privatização na América Latina, o filme segue o roteiro de viagem de Stone pela América do Sul, tentando reconstituir o processo da "guinada", de sua origem com Chávez até a eleição do ex-bispo Lugo, no Paraguai, lembrando sempre o papel desempenhado pelos EUA e pelo FMI (Fundo Monetário Internacional) no agravamento das situações econômicas na região.

No final, o diretor norte-americano aponta que seu próprio país viveu uma simbólica mudança de liderança e que Barack Obama, eleito em 2008, tem nas mãos a chance de mudar as relações historicamente imperialistas entre os Estados Unidos e as nações sul-americanas.

Além dos presidentes latino-americanos, o filme conta ainda com depoimentos de jornalistas norte-americanos e britânicos especializados em América Latina, além do próprio Tariq Ali.

South of the Border foi um projeto iniciado em 2003, depois que Stone realizou Comandante, documentário-entrevista com Fidel Castro.

Divulgação

Em Ao Sul da Fronteira, Chávez é uma figura polêmica e encantadora, divertido e espirituoso

Concluído somente em 2009, o filme teve première no Festival de Veneza do ano passado, quando o próprio Chávez esteve presente. Os dois longas-metragens seguem uma mudança de foco - de filmes de ficção para documentários políticos - na carreira do cineasta, já premiado com Oscars de melhor direção por Platoon (1986) e Nascido em Quatro de Julho (1989) e de roteiro por Expresso da Meia-Noite (1978).

Com distribuição comprada pela independente Cinema Libre, o novo filme de Stone deve estrear nos EUA no próximo dia 25.

O próximo projeto de Oliver Stone, já adiantado por Hugo Chávez, deverá ser um novo documentário concentrado na trajetória política do presidente venezuelano. Em conjunto, os três filmes - Comandante, South of Border e este a ser realizado sobre Chávez - têm a intenção de explicar um jeito de fazer política que poucas vezes os norte-americanos entendem - que, como diz a música  que encerra o documentário (que ficou famosa na voz de Carmem Miranda, mas desta vez é cantada pela cubana Cucú Diamantes), faz parte do "South American Way"

Serviço:
Ao Sul da Fronteira (South of the Border)
EUA, 2010. 102 min. Dir.: Oliver Stone



Siga o Opera Mundi no Twitter

Comentários