'Venezuela é um país mais democrático que o Brasil', afirma professor da UFABC

Igor Fuser diz que há dois interesses dos Estados Unidos em desestabilizar o país: controlar o petróleo e liquidar a soberania dos povos latino-americanos

Rodrigo Gomes | RBA

0

Todos os posts do autor

O doutor em ciência política e professor de relações internacionais da Universidade Federal do ABC (UFABC) Igor Fuser é direto: “Se é pra falar em democracia, a Venezuela, com todos os seus problemas econômicos, que são terríveis, é um país bem mais democrático que o Brasil”. Analisando a situação atual do país vizinho, que denunciou recentemente um plano de ataque militar para derrubar o governo de Nicolás Maduro, além de sofrer com sanções econômicas e isolamento político, o professor avalia que não há qualquer preocupação externa com a democracia no país, mas sim o desejo dos Estados Unidos de controlar o patrimônio mais precioso dos venezuelanos, o petróleo, e liquidar com sua soberania.

“Há uma campanha de muitos anos dos Estados Unidos com a oligarquia venezuelana para derrubar o governo popular do país. É um governo democrático, fruto de eleições livres e legítimo, que foi vitorioso em todas as disputas eleitorais que concorreu. Essa campanha culminou, no ano passado, na tentativa de derrubada do governo de Maduro, por meio de uma combinação de ações violentas com boicote econômico, sabotagem à produção e ao abastecimento ao país. Essa tentativa fracassou. Diante disso, o eixo da campanha para a derrubada do governo se deslocou para o exterior”, avaliou Fuser.

Com isso, países aliados do governo norte-americano iniciaram uma nova rodada de pressões e ameaças. O Grupo de Lima, formado por Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lucia, rechaçou a proposta de Maduro de antecipar as eleições para 22 de abril e declarou que o presidente  está “desconvidado” à Cúpula das Américas, que vai ocorrer em Lima, nos dias 12 e 13 de abril. Maduro, porém, garante que irá. 

Além disso, a Colômbia tem realizado inúmeros exercícios militares, com apoio dos Estados Unidos, e ampliado a presença de soldados na fronteira com a Venezuela. O procurador-geral Tarek William Saab denunciou um plano da nação vizinha para atacar seu país militarmente.

Trump

No ano passado, o próprio presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, insinuou que poderia realizar uma intervenção militar na Venezuela. Em visita a países latino-americanos, o secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, também indicou que seu país poderia intervir “para promover uma mudança democrática”.

“O governo Trump está disposto a derrubar o governo da Venezuela o mais rápido possível. A campanha contra o país tem se intensificado. Não é coincidência que a mobilização de tropas colombianas e brasileiras coincidam com o veto à participação do presidente Maduro na reunião de cúpula das Américas, marcada para abril. Receia-se que dentro dos próximos meses possa ocorrer uma ação militar contra a Venezuela, a partir da fronteira da Colômbia, na Amazônia. Há setores do país que pedem a intervenção militar”, disse Fuser.

O professor avalia que uma agressão militar colombiana é uma possibilidade real, visto que o país “há muitos anos, tornou-se a ponta de lança dos interesses estadunidenses na América do Sul”. Existem várias bases militares americanas instaladas no país e a relação entre o exército colombiano e os militares dos EUA é muito estreita.

Presidencial Venezuela/Twitter

Segundo Igor Fuser, Maduro é franco favorito para as eleições de 22 de abril

“É um país que abriu mão da soberania econômica quando assinou um acordo bilateral de comércio com os Estados Unidos”, salientou.

Fuser avaliou ainda que os norte-americanos sabem que uma agressão militar à Venezuela encontraria uma resistência firme do povo do país. “Não se derruba um governo só com bombardeios, é preciso de soldados para ocupar o terreno. E os militares dos Estados Unidos sabem que os venezuelanos não vão aceitar que sua pátria seja invadida por uma potência estrangeira”. Ele ressaltou que as intervenções militares dos EUA nas últimas décadas acabaram muito mal, com grande número de baixas, um custo astronômico, resultados políticos limitados e duvidosos.

“Por isso, os Estados Unidos preferem terceirizar o serviço sujo para seus lacaios internacionais. E a Colômbia, infelizmente, já deixou claro que está disposta a se prestar a esse papel. Assim, os custos políticos e humanos recairiam sobre ela. É fundamental que as pessoas com um mínimo de consciência impeçam essa guerra na América do Sul. O continente, com todos os seus problemas sociais e políticos, ainda assim tem sido um continente de paz. A última guerra internacional na América do Sul foi a Guerra do Chaco, na década de 1930”, lembrou.

Eleição

Para o professor, a eleição marcada para o dia 22 tem franco favoritismo de Maduro, inclusive porque a oposição está perdida e não consegue definir se participa ou não. O partido Vontade Popular (VP), do opositor Leopoldo López, um dos principais grupos da coligação Mesa da Unidade Democrática (MUD), pediu o boicote às eleições nesta segunda (19/02). Nesse cenário, surgiu um outsider: o pastor evangélico Javier Bertucci anunciou no domingo (18/02) sua candidatura às eleições presidenciais.

Desde 1999, quando Hugo Chávez foi eleito presidente, a Venezuela passou por 18 eleições. No ano passado, houve três pleitos: para prefeitos, governadores e para Assembleia Constituinte. O governo venceu as três, sendo que a oposição elegeu certo número de prefeitos e governadores, mas boicotou o pleito para a assembleia constituinte.

Esse é o segundo ponto de interesse dos Estados Unidos, na opinião de Fuser. “Eles não aceitam que nenhum país da América Latina siga o próprio caminho independente da vontade dos Estados Unidos. Não reconhecem a soberania de nenhum país latino-americano. A história mostra que todos os países da América Latina que adotaram políticas que não coincidiam com os interesses dos Estados Unidos, eles agiram para derrubar esses governos. A exemplo do que aconteceu no Brasil em 1964. E agora, em 2016, vem ficando cada vez mais clara a influência dos Estados Unidos na derrubada da presidenta Dilma Rousseff”, afirmou.

(*) Publicado em Rede Brasil Atual

Comentários