Gel vaginal reduz em quase 40% a infecção pelo vírus HIV, aponta estudo

Gel vaginal reduz em quase 40% a infecção pelo vírus HIV, aponta estudo

Daniella Cambaúva

Um gel vaginal microbicida, elaborado com a substância antirretroviral tenofovir, usado no tratamento da Aids, reduz em 39% as infecções do vírus HIV nas mulheres ao ser aplicado 12 horas antes e 12 horas depois da relação sexual, aponta um estudo científico realizado na África do Sul.

O medicamento pode representar um importante progresso nas investigações feitas há duas décadas para conseguir um microbicida contra o vírus HIV, já que poderia ser utilizado por mulheres cujos parceiros se recusam a usar preservativos.

"Damos esperanças às mulheres. Pela primeira vez vemos resultados para a prevenção do HIV, pela mulher. Se os resultados do estudo forem confirmados em mais uma análise, seria uma possibilidade eficaz para deter o avanço da epidemia da aids", disse o diretor-geral do Unaids (Programa conjunto das Nações Unidas sobre o HIV/aids), Michel Sidibé, em comunicado.

Leia mais:
Crise internacional coloca em risco projetos de saúde pública na África
EUA liberam entrada de portadores do HIV após 22 anos de veto
Cientistas apresentam vacina que reduz contágio da AIDS em 31%
Por falta de leite materno, australianas recorrem a fontes não confiáveis

O gel foi desenvolvido a base do conhecido fármaco oral tenofovir, do laboratório norte-americano Gilead Sciences Inc, que atua como agente bloqueador de uma enzima do vírus e se usa habitualmente contra a aids.

Tanto a OMS (Organização Mundial da Saúde) como o Unaids disseram estar contentes com a descoberta dos pesquisadores sul-africanos Salim e Quarraisha Abdool Karim, da Universidade de KwaZulu-Natal, em Durban. “Assim que eles se mostrarem seguros e eficientes, a OMS irá trabalhar com governos e parceiros para acelerar o acesso a esses produtos”, disse Margareth Chan, diretora-geral da OMS.

O produto foi apresentado na 18º Conferência Internacional sobre a Aids realizado nesta semana em Viena e o estudo foi publicado na revista científica Science.

Se os resultados da pesquisa se confirmarem, esta será a primeira vez que um gel microbicida se mostrou eficiente na prevenção do contágio do vírus HIV.

Teste

O gel foi testado por um programa sul-africano de estudos sobre a aids chamado Aids Programme of Research in South África (Caprisa). Participaram 889 mulheres entre 18 e 40 anos, saudáveis, moradoras de Durban e também de um pequeno vilarejo rural sul-africano.

Todas receberam um gel que deviam aplicar 12 horas antes e 12 horas depois do ato sexual. Durante 30 meses, 444 receberam um placebo (substância sem valor medicinal), e as outras 445 o gel com tenofovir.

No final do estudo, foram registradas 60 infecções de HIV no primeiro grupo (placebo), enquanto no segundo só foram 38 casos, o que representa um índice de proteção de 39%. Além disso, quanto mais se aplicou o creme, maior foi o efeito profilático, já que, em geral, as mulheres usaram o gel em 72% das relações heterossexuais, mas entre as que aplicaram o remédio em 80%, o índice de proteção ascenderia a 54%.

Além do contágio do HIV, outro resultado da aplicação do gel foi a redução em 51% das infecções por herpes genital nas mulheres de entre 18 e 40 anos.

O novo produto deve passar pela a terceira fase de provas, já em andamento, e se passar, demorará ainda para chegar ao mercado. Segundo os pesquisadores, uma das vantagens do novo produto seria seu preço baixo.

Embora uma proteção de 40% ainda não seja suficiente para substituir o preservativo, é, no entanto, muito significativa para frear a epidemia nas regiões mais afetadas, apontam os analistas. Cientistas estimam que o gel vaginal, só na África do Sul, poderia impedir 1,3 milhão de novas infecções de HIV em 20 anos.


Siga o Opera Mundi no Twitter

Comentários