Raúl Castro: Cerco dos EUA está se fechando, mas Cuba resistirá

Em artigo publico no jornal Granma, primeiro-secretário do Partido Comunista cubano também condenou golpe contra Dilma Rousseff e pediu liberdade para Lula

O primeiro-secretário do Partido Comunista de Cuba, Raul Castro Ruz, afirmou neste domingo (02/06) que seu país, assim como a Venezuela e a Nicarágua, estão conscientes de que o cerco está se fechando, mas as novas tentativas dos Estados Unidos de derrubar a Revolução Cubana voltarão a fracassar.

"O aumento da guerra econômica, com o fortalecimento do bloqueio e a contínua aplicação da Lei Helms-Burton, perseguem o antigo desejo de derrubar a Revolução Cubana por meio da asfixia econômica e da penúria. Essa aspiração já fracassou no passado e fracassará novamente", aponta o líder cubano em um artigo publicado no jornal Granma.

Raúl ainda disse que, "para nós, como para a Venezuela e a Nicarágua, está muito claro que o cerco está se fechando e nosso povo deve estar alerta e preparado para responder a cada desafio com unidade, firmeza, otimismo e fé inabalável na vitória".

O cubano citou os golpes recentes em governos progressistas na América Latina, como as ações contra o ex-presidente de Honduras manuel Zelaya, o ex-mandatário paraguaio Fernando Lugo, e a ex-presidente do Brasil Dilma Rousseff. Raúl também condenou a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e fez um apelo "a todas as forças políticas honestas no mundo para exigir a sua libertação [de Lula] e o fim dos ataques e perseguição judicial contra as ex-presidentes Dilma Rousseff e Cristina Fernández de Kirchner".

Leia o artigo na íntegra: 

Novamente, um cenário adverso foi criado, e novamente a euforia em nossos inimigos ressurge e a pressa em tornar realidade o sonho de destruir o exemplo de Cuba. Não será a primeira e nem a última que a Revolução Cubana terá que enfrentar desafios e ameaças. Corremos todos os riscos e resistimos invictos 60 anos.

Para nós, como para a Venezuela e Nicarágua, é claro que o cerco está se fechando e nosso povo deve estar alerta e pronto para responder a cada desafio com unidade, força, otimismo e fé inabalável na vitória.

Após quase uma década de implementar os métodos de guerra não convencional para impedir a continuação ou retardar o retorno de governos progressistas, os círculos do poder em Washington patrocinaram golpes, primeiro um militar para derrubar em Honduras o presidente Zelaya e, mais à frente, foram para os golpes parlamentares-judiciais contra Lugo, no Paraguai, e Dilma Rousseff, no Brasil.

Promoveram processos judiciais fraudulentos e politicamente motivados, bem como campanhas de manipulação e descrédito contra líderes e organizações de esquerda, fazendo uso do controle monopolista sobre a mídia de massas. Dessa forma, conseguiram prender o camarada Lula da Silva e privaram-no do direito de ser candidato presidencial pelo Partido dos Trabalhadores para evitar sua vitória nas últimas eleições. 

Aproveito esta oportunidade para apelar a todas as forças políticas honestas no mundo para exigir a sua libertação e o fim dos ataques e a perseguição judicial contra as ex-presidentes Dilma Rousseff e Cristina Fernández de Kirchner.

Aqueles que estão empolgados com a restauração da dominação imperialista em nossa região devem entender que a América Latina e o Caribe mudaram e o mundo também.

Nunca foi mais necessário marchar efetivamente pelo caminho da unidade, reconhecendo que temos muitos interesses em comum. Trabalhar pela 'unidade na diversidade' é uma necessidade urgente. Para alcançá-la, uma adesão estrita à proclamação da América Latina e do Caribe como Zona de Paz, assinada pelos Chefes de Estado e de Governo em Havana, em janeiro de 2014, é requerida, na qual nós nos comprometemos "com o cumprimento estrito de sua obrigação de não intervir, direta ou indiretamente, nos assuntos internos de qualquer outro Estado", resolver as diferenças pacificamente e de "respeitar plenamente o direito inalienável de cada Estado para escolher seu sistema político, econômico, social e cultural".

Nós, cubanos, estamos conscientes de que, sem o esforço sustentado do nosso povo para consolidar a capacidade defensiva do país, teríamos deixado de existir há muito tempo como uma nação independente.

Nossa segurança na vitória é baseada no sangue dos camaradas caídos e nos rios de suor despejados por milhões de cubanos ao longo de várias décadas, e particularmente nos últimos anos, que trabalharam para tornar realidade nosso principal objetivo de evitar a guerra.

O ninho de vespas terrível em que se converteriam todos os cantos do nosso país, repito, o ninho de vespas terrível em que se converteriam todos os cantos do nosso país, causaria ao inimigo um número muito maior de baixas do que a opinião pública norte-americana estaria disposta a aceitar.

O aumento da guerra econômica, com o fortalecimento do bloqueio e a contínua aplicação da Lei Helms-Burton, perseguem o velho desejo de derrubar a Revolução Cubana por meio de sufocação econômica e as dificuldades. Esta aspiração já falhou no passado e falhará novamente.

O socialismo, sistema que o governo dos Estados Unidos denigre, nós o defendemos porque acreditamos na justiça social, no desenvolvimento equilibrado e sustentável, com uma justa distribuição da riqueza e as garantias de serviços de qualidade para toda a população; praticamos a solidariedade e rejeitamos o egoísmo, não compartilhamos o que nos resta, mas até o que nos falta; repudiamos todas as formas de discriminação social e combatemos o crime organizado, o tráfico de drogas, o terrorismo, o tráfico de pessoas e todas as formas de escravatura; defendemos os direitos humanos de todos os cidadãos, não de segmentos exclusivos e privilegiados; acreditamos na democracia do povo e não no poder político e antidemocrático do capital; procuramos promover a prosperidade da pátria, em harmonia com a natureza e cuidando das fontes das quais depende a vida no planeta; e porque temos a certeza de que um mundo melhor é possível.

Em 60 anos diante das agressões e ameaças, nós, os cubanos, mostramos a vontade ferrenha de resistir e superar as circunstâncias mais difíceis. Apesar do seu imenso poder, o imperialismo não possui a capacidade de quebrar a dignidade de um povo unido, orgulhoso da sua história e da liberdade conquistada por tanto sacrifício. Cuba já mostrou que sim era possível, sim é possível e sempre será capaz de resistir, lutar e alcançar a vitória. Não há outra alternativa.

*Com Granma e Brasil 247

Reprodução
Em artigo publico no jornal Granma, primeiro-secretário do Partido Comunista cubano também condenou golpe contra Dilma Rousseff

Comentários

Leia Também