Gantz desiste de formar governo em Israel e país pode ter 3ª eleição em menos de um ano

Líder do Azul e Branco teve 28 dias para conseguir formar coalizão, mas não obteve maioria; Knesset deve indicar outro nome para tentar montar governo

O líder do partido de centro-direita Azul e Branco, Benny Gantz, anunciou nesta quarta-feira (20/11) que não conseguiu maioria para formar governo em Israel. 

O prazo de Gantz era até meia noite desta quarta. No entanto o político afirmou que, apesar de todas as tentativas, "não foi o suficiente". 

"Nos últimos 28 dias, virei todas as pedras na tentativa de formar um governo que conduza o Estado de Israel a uma liderança diferente. Infelizmente não foi suficiente. Diante das pedras, eu havia me transformado em um "bloco" que insistia em ver o bem pessoal de uma pessoa antes do bem dos pacientes que estavam nos corredores", afirmou pelo Twitter. 


FORTALEÇA O JORNALISMO INDEPENDENTE: ASSINE OPERA MUNDI 


Gantz disse que pediu ao atual premiê Benjamin Netanyahu, líder do Likud, para que fossem mantida negociações diretas a fim de que pudesse formar governo. No entanto, ele afirmou que, como resposta, recebeu "insultos, calúnias e vídeos infantis".

Netanyahu também não havia conseguido formar governo.

Reprodução
Benny Gantz teve 28 dias para tentar formar governo em Israel

“O povo escolheu eu e meus colegas do Azul e Branco para liderar Israel. Ninguém tem o direito de impedir o povo de sua escolha", disse.

Agora, segundo o jornal Times of Israel, os deputados de Israel tem um prazo de 21 dias para indicar um candidato que possa formar governo. Caso o nome estabelecido pelo Knesset, o parlamento israelense, não consiga uma coalizão - o que é provável, já que o Azul e Branco e o Likud são os maiores da Casa -, o país passará pela terceira eleição em menos de um ano. 

Mais cedo, Avigdor Lieberman, líder do partido nacionalista Yisrael Beitenu, disse que não apoiaria Gantz, nem Netanyahu na formação de uma coalizão para formar governo.

"No estado atual, estamos a caminho de novas eleições", afirmou Lieberman.

(*) Com Ansa.

Comentários

Leia Também