Papa defende respeito aos gays, mas condena união entre pessoas do mesmo sexo

Papa defende respeito aos gays, mas condena união entre pessoas do mesmo sexo

Ansa

O papa Bento XVI declarou que os homossexuais devem ser respeitados como pessoas que "não devem ser discriminados porque apresentam aquelas tendências", em entrevista publicada em um livro lançado hoje (23/11) no Vaticano.

"O respeito pela pessoa é absolutamente fundamental e decisivo", defendeu. Ele afirmou que, "todavia, o profundo sentido da sexualidade é um outro. Poderia dizer, querendo se expressar nestes termos, que a evolução gerou a sexualidade com a finalidade da reprodução".

As respostas do líder máximo da Igreja Católica ao jornalista alemão Peter Seewad, publicadas no livro "A Luz do Mundo", tratou de outros temas atuais e muitas vezes polêmicos, como o uso excepcional do preservativo. O assunto gerou discussões nesta semana, antes da apresentação oficial da publicação.

Leia mais:
Leia trechos da entrevista de Bento XVI sobre temas polêmicos
Vaticano minimiza declarações de Bento XVI sobre camisinha
Bento XVI aceita uso de camisinha para reduzir risco de AIDS
Vítimas de pedofilia contam rotina de medo sob o rigor da Igreja na Irlanda

Com relação à homossexualidade dentro da Igreja Católica, Joseph Ratzinger ressaltou que a postura "não é conciliável com o ministério sacerdotal".

Ele lembrou que, há alguns anos, a Congregação para a Educação Católica emitiu uma disposição pela qual os candidatos homossexuais não podem se tornar sacerdotes porque sua orientação sexual "os distancia da linha paterna, que é o que define o ser sacerdote".

"Portanto, a escolha dos candidatos ao sacerdócio deve ser muito precisa. É necessário ter muita atenção para que não se introduza uma confusão deste tipo e, no final, o celibato dos padres não seja identificado com a tendência à homossexualidade", pontuou Bento XVI.

Pedofilia

Outra questão tratada no livro é a da pedofilia na Igreja Católica. O Papa disse que, "nos abusos sexuais, e nos casos de pedofilia dos padres, a partir dos anos 1960, a necessidade de punir foi esquecida, [mas era] aplicada até os anos 1950".

Agora devemos recuperar "o direito e a necessidade da pena" porque o amor não é apenas "gentileza e cortesia", mas também "verdade", colocou Bento XVI.



Siga o Opera Mundi no Twitter     
Conheça nossa página no Facebook 
 
  
 

Comentários

Leia Também