Jovens do Complexo da Maré registram cotidiano com câmeras de lata

Adolescentes munidos de câmeras 'pinhole', feitas com latas de leite em pó, documentam o dia a dia da comunidade carioca em preto e branco

Fabiano Post | Global Voices

Yasmin Lopes / Mão na Lapa

Ramos, bairro vizinho ao Complexo da Maré

Uma lata com um pequeno furo e fita isolante. Parece simples, mas é aí que reside o paradoxo. Para se fotografar com uma câmera digital, no automático, basta um clique. Mas a câmera pinhole, ancestral do processo fotográfico analógico, exige muito mais: uma boa dose de concentração e paciência, para começar, além de entender o fundamento básico da fotografia, que é o controle da luz. De resto, basta incentivo, imaginação e inspiração.

Lucas Eduardo Mercês da Costa

Palácio do Itamaraty, Centro

Ao menos é o que acredita o projeto “Mão na Lata”. A iniciativa consiste em distribuir câmeras pinhole a adolescentes de 12 a 18 anos do Complexo da Maré, conjunto de 16 favelas no Rio de Janeiro onde habitam cerca de 130 mil pessoas. Da confecção das câmeras, feitas a partir de latas de leite em pó, até a revelação dos negativos, tudo é feito pelos jovens participantes, que recebem o desafio de registrar o cotidiano de sua comunidade em preto em branco.

Juliana de Oliveira

Santa Tereza, bairro do Rio de Janeiro

Rafael Oliveira

Passeio Público, Centro do Rio de Janeiro

O Mão na Lata é uma iniciativa da fotógrafa Tatiana Altberg e desde 2003 oferece oficinas de fotografia artesanal e literatura para jovens da comunidade em parceria com a organização Redes da Maré. Mas foi só em 2012 que Tatiana conseguiu apoio da Petrobrás, via Lei Rouanet de Incentivo à Cultura, para tocar o projeto “Do artesanal ao digital”, no qual os estudantes puderam aprender também os princípios da fotografia digital. O projeto também incentivava os alunos a retratar locais citados na obra de Machado de Assis, escritor brasileiro que viveu no Rio de Janeiro no século 19, considerado um dos mais importantes nomes da literatura brasileira.

Nicole Cristina da Silva

Arcos da Lapa 

Um ano de atividades resultou no livro "Cada Dia Meu Pensamento é Diferente", uma compilação do trabalho dos jovens lançado pela editora NAU em 2013.

Larisse Paiva

Morro do Livramento, Gamboa

Tatiana Altberg e Luiza Leite, professora de literatura que colaborou no processo de elaboração do livro, explicam o que as inspirou na escolha do título: “O título do livro é um fragmento de um dos textos produzidos por um dos alunos do projeto. Queríamos um título capaz de ressaltar a qualidade cambiante do pensamento reflexivo, conquistado pelos alunos após um prolongado processo de criação.”

Augusto Araújo

Rua Sargento Silva Nunes, Nova Holanda, Complexo da Maré

O autor da frase em questão é Jonas Willami, de 17 anos: “Me deu mais paixão pela fotografia. Foi uma sensação muito boa, de ver a felicidade de todos aqui no lançamento, pois não é apenas um projeto, somos uma família. E a frase se encaixa perfeitamente no eixo da história que se passa o livro.”

Jonas Willami Ferreira

Rua do Rosário, Centro 

 

Publicado originalmente no site Global Voices.

Comentários