Proposta de Israel para a paz é capitulação palestina

Enquanto Israel mantiver a ocupação ilegal dos territórios palestinos, eles têm toda razão de reivindicar o direito à resistência

A sina das palavras mais generosas é a promiscuidade. Até os interesses mais perniciosos buscam se camuflar com discursos pela justiça, a democracia e a paz.

Quando o governo de Netanyahu condiciona uma possível e futura liberação do bloqueio em Gaza à desmilitarização do Hamas, o que coloca sobre a mesa é um objetivo sórdido: consolidar nas mãos de Israel o monopólio da violência e da capacidade de defesa. Este discurso é típico dos Estados coloniais.

A retórica francesa sobre o Vietnã e a Argélia, por exemplo, não era diferente. As forças que lutavam pela auto-determinação eram “terroristas” e o conceito de paz se circunscrevia à capitulação dos rebeldes. A lógica da dominação colonial, afinal, é a supremacia.

A paz justa é um movimento espelhado, baseada em direitos iguais. O Estado palestino deve ter as mesmas garantias de existência que Israel, tanto políticas e econômicas quanto territoriais e de defesa. Quando as armas se calam por submissão de uma das partes, a paz passa a ser instrumento de poder.

Mas este não é o único problema. A principal questão é que, enquanto Israel mantiver a ocupação ilegal dos territórios da Cisjordânia e o cerco contra Gaza, os palestinos têm toda razão de reivindicar o direito à resistência, por todos os meios que estiverem ao alcance de suas mãos.

Não há paz quando o povo colonizado abaixa os braços, apenas quando o Estado colonial renuncia à expansão ilegal. Quem acredita que a paz se resume ao silêncio dos canhões de guerra, faz o jogo da direita sionista, de forma consciente ou desavisada.

Wikileaks: Israel trabalha para estrangular economia de Gaza, mostram telegramas

25 verdades sobre el asedio de Gaza por Israel

Israel pede ajuda de parlamentares dos EUA para se defender de acusações de crimes de guerra

 

Leia Mais



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Ex-presidente da Coreia do Sul é presa

Park Geun-hye é acusada pelos crimes de suborno, abuso de autoridade e vazamento de documentos oficiais; tribunal expede mandado por risco de destruição de provas e gravidade das acusações

 

Mais Lidas