Com Trump, perdemos todos

Como previsto, a civilização perdeu com o resultado da eleição norte-americana

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

 

Atualizado às 7:42

A vitória de Trump é um tapa na cara de quem espera um mínimo de respeito ao outro na democracia. É mais um episódio desses terríveis anos 2010, que parecem prontos a destruir os avanços conquistados a partir dos anos 1990 por liberais (nos Estados Unidos) e social-democratas (na Europa), em especial no respeito às minorias, na vida cotidiana e política. Essa era a grande bandeira da esquerda não revolucionária e quase não reformista, porque a contrapartida dessa política tolerada pela direita era a submissão ao neoliberalismo na economia e ao conformismo na vida política em geral.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Para a América Latina, que viu Chávez, Mujica, Kirchner e Lula, mas também Evo Morales, Bachelet e Rafael Correa, reverterem, ainda que timidamente, uma hisória de exclusão econômica e preconceitos contra pobres, negros, índios e mulheres, a conquista de Trump é mais um sinal de que o desastre caminha a passos largos, na velocidade da fibra ótica e das redes de invasão de privacidade e deformação de opinião da internet e dos comunicadores instantâneos.

A direita festeja, sapateia, comemora. Ela abandonou o jogo da razão, mas ganhou mesmo assim. E ganhou em Estados que Barack Obama levou nas últimas eleições, como Pensilvânia, Wisconsin e Flórida.

E o pior disso é que uma vitória de Hillary não representaria o contrário disso. Representaria apenas a manutenção de uma barricada recuada, que tentaria conter, na frágil base de um voto que não seria respeitado por grande parte dos norte-americanos, posições ainda não entregues diante das pressões da indústria armamentista, do mercado financeiro e dos interesses geopolíticos. Esses setores apoiavam Hillary não por suas características progressistas, mas porque sabiam que, contra eles, a candidata democrata não faria nada na Presidência. Pelo contrário, seria uma fiel aliada. E a instabilidade de Trump era menos desejável que o bom comportamento da eventual presidenta.

Se ganhar com Hillary seria certamente ruim para o planeta, ela perder para Trump é, por outro lado, um horror para a humanidade. Ainda mais com o resultado da eleição para o Congresso, onde os republicanos mantiveram o controle da Câmara dos Representates e do Senado -  e que pode acabar dando carta branca para atitudes radicalmente reacionárias de Trump.

Hillary, diga-se, perde em grande medida por sua atuação terrível junto a um governo, o de Barack Obama, que prometeu vencer o medo, mas que se acovardou diante de um mundo em crise.
 

Homenagem à Caros Amigos

Sem cotas, a USP não seria a USP

Rússia busca cérebros e colaboração internacional em pesquisa de ponta

 

Agência Efe

Donald Trump, novo presidente dos EUA: vitória da desrazão

Obama não alterou em nada significativamente a política imperialista dos Estados Unidos. Pelo contrário: seu governo entrará para a história como o período em que, com apoio do país, a paz recuou na Palestina, nazistas chegaram ao poder numa coalizão na Ucrânia, a Síria caiu numa guerra civil terrível e a promessa de uma vaga democrática da Primavera Árabe foi destruída, em quase todos os lugares em que trouxe uma expectativa positiva, numa ressaca de violência, ditadura e/ou caos.

O resumo disso é o paradoxo de sua candidatura: ela surgiu, oito anos atrás, e foi abraçada pela juventude e pelos setores mais progressistas como uma resposta crítica a uma candidatura Hillary. Oito anos com Obama e o que o Partido Democrata apresenta ao eleitor? O nome que representava justamente o status quo.

Os anos Obama ficarão marcados como aqueles em que a “esquerda” norte-americana descuidou da pauta dos direitos humanos na América Latina, mantendo o apoio a setores reacionários – Uribe na Colômbia, Macri na Argentina e Temer no Brasil, para não falar da oposição venezuelana – que só podem ser gratos a Obama.

Para os pobres norte-americanos, Obama não foi tão ruim. A economia não desandou, alguma recuperação econômica favoreceu setores que estavam marginalizados quando de sua chegada ao poder e, finalmente, o Obamacare era, de fato, uma política que melhorava a saúde dos que nada tinham. Mas sem o Executivo e sem o Congresso, que farão os democratas progressistas (que não são todos) para barrar os ataques a esses avanços?

A pior derrota de Obama-Hillary não é eleitoral. É o esfarelamento de um legado que já não conseguiam ou não queriam defender, mesmo estando no poder.

A vitória de Trump é uma vitória da desrazão, do despotismo empresarial que, sintomaticamente, ele representou tão bem no show de exclusão social transformado em reality show de O Aprendiz.

O consolo é esperar que as previsões se confirmem, e que Trump fracasse na gestão do país. Isso representaria um Estado norte-americano menos intervencionista no mundo, e, sobretudo, na América Latina. Talvez, com isso, a gente, fora dos Estados Unidos, volte a respirar com mais liberdade. O porém é que esse é um cenário possível. Mas não certo: o fato é que tudo pode, ainda, piorar. Ainda não estamos no fundo do poço.

Leia Mais

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

'Fatos alternativos' é a 'despalavra' de 2017

Termo estimula substituição de argumentos factuais por afirmações não comprovadas para manipular debate público, diz júri; iniciativa quer chamar atenção para palavras que ferem dignidade humana ou democracia

 

Sob a fumaça, a dependência

Não são apenas os fumantes que estão atrelados a um hábito do qual é difícil se livrar; o Brasil, líder global na exportação de tabaco, oculta sob os dados econômicos um quadro social de efeitos devastadores

 

Cientistas descobrem o que dizimou astecas

Após cinco séculos de mistério, equipe internacional de pesquisadores detecta bactéria, levada por europeus, que teria sido responsável pela morte de 15 milhões de pessoas em apenas cinco anos