Terceirização é parte de avalanche neoliberal que toma conta do país, diz desembargadora do TRT

Para Magda Barros Biavaschi, desembargadora aposentada do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 4ª Região, Rio Grande do Sul, medida visa acabar com limites para interesses exclusivos do capital

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O texto que foi aprovado pela Câmara dos Deputados na noite da última terça-feira (22/03), que libera de maneira irrestrita a terceirização em empresas privadas e no serviço público, pode resultar em um grande retrocesso para a classe trabalhadora do País. Esta é a análise de Magda Barros Biavaschi, desembargadora aposentada do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 4ª Região, do Rio Grande do Sul.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

“Fomos surpreendidos com o desengavetar dessa proposta, que foi apresentada pelo governo FHC em 1998. Faz parte de uma avalanche liberal que toma conta do país", avalia.

No início da sessão, deputados da oposição apresentaram uma série de requerimentos para barrar a votação do projeto, mas o recurso foi negado. 

" Não é flexibilizando, retirando direitos, que vamos resolver os graves problemas econômicos no Brasil, que se aprofundam a cada dia que passa", alerta a especialista, que tem a terceirização como objeto de pesquisa e também é uma das coordenadoras do Fórum Nacional em Defesa dos Direitos dos Trabalhadores Ameaçados pela Terceirização, criado em 2011 por centrais sindicais, federações e outras entidades.

Retrocesso na CLT

Em entrevista à Caros Amigos, a desembargadora afirma que o texto é um retrocesso em relação à CLT de 1943, do governo de Getúlio Vargas.

"Voltamos a patamares muito anteriores a tudo que se conquistou a partir de 1930. Esse projeto vem no bojo das propostas dos setores patronais que, na realidade, querem usar a terceirização a rodo como estratégia de redução de imposto. Haverá danos para o mercado e para a economia brasileira, mas os empresários apostam nisso para reduzir o custo da mão de obra”, diz.

Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Câmara aprovou na noite de terça-feira projeto de lei de terceirização irrestrita da época de FHC

Condução coercitiva de blogueiro Eduardo Guimarães é 'perseguição nitidamente política', diz advogado

Organizações de direitos humanos denunciam Brasil à OEA por superlotação e violência em presídios

Terceirização ilimitada aprovada na Câmara reduz conquistas históricas dos trabalhadores, dizem especialistas

 

Além de ampliar a terceirização e estender as possibilidades da contratação temporária por um tempo maior, as alterações propostas retiram estabilidade, adicionais dos trabalhadores e, segundo a pesquisadora, apagam conquistas históricas incorporadas na Constituição de 1988, como o aviso prévio e a possibilidade do pagamento da multa de 40% no Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) de um trabalhador demitido sem justa causa pelo seu empregador.

A proposta ainda aumenta de 90 para 180 dias o período de permissão para empresas contratarem trabalhadores temporários.

Falsa promessa

"O PL 4.302 acirra os problemas com uma falsa promessa de aumentar os postos de trabalho e reduzir o desemprego, rasgando a legislação trabalhista. Vários países que aprovaram essas reformas flexibilizadoras são os de piores índices de produtividade e competitividade e não resolveram o desemprego. A proposta vem pra reduzir o custo do trabalho, ou seja, é prejuízo direto pros trabalhadores. Querem acabar com os limites para que o capital possa correr solto e frouxo, movido pelo desejo de acumulação de riquezas", diz a desembargadora.

De acordo com pesquisa divulgada pela Cental Única dos Trabalhadores (CUT) em 2015, a cada cinco óbitos ocasionados por acidentes de trabalho, quatro são de terceirizados. “A terceirização mata. Se terceiriza o risco e a responsabilidade com o trabalho. A flexibilização reduz o patamar remuneratório e amplia as inseguranças no mundo do trabalho cada vez mais", comenta Biavaschi. 

Outro ponto negativo da terceirização na opinião da especialista é a fragmentação da organização dos próprios trabalhadores. "É danoso porque impede um vínculo social básico dos trabalhadores, que permite que eles tenham força para negociar melhores condições de trabalho".

A pesquisadora ainda destaca que o texto não pode ser analisado sozinho e critica as propostas pelo governo de Michel Temer (PMDB). "É um cenário de reformas que tem um ideário flexibilizador, liberalizante. Começou com a PEC 55, continua com a reforma da Previdência e continuará com a reforma trabalhista, que traz pra cena a supremacia do negociado pelo legislado, ou seja, aquilo que o patrão combina com o trabalhador vale mais do que a lei universal. A reforma envolve também a flexibilização do conceito de trabalho escravo. É nefasto para os trabalhadores, para a sociedade e para o país", afirma a desembargadora. 

(*) Publicado originalmente em Caros Amigos

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Mulheres começam a dirigir na Arábia Saudita

Abertura é reflexo de uma mobilização de quase três décadas em defesa dos direitos das mulheres sauditas; as primeiras campanhas pelo direito a dirigir ocorreram nos anos 1990