'Só vamos retomar o desenvolvimento com eleições diretas', diz Dilma em Harvard

Ex-presidenta participou de evento em Boston realizado pela Universidade de Harvard e pelo MIT; ela se disse preocupada com eventual prisão de Lula para retirá-lo de disputa presidencial em 2018: 'Deixa ele concorrer para ver se ele não ganha'

A ex-presidenta Dilma Rousseff participou neste sábado (08/04) do evento Brazil Conference, realizado pela Universidade de Harvard e pelo MIT (sigla em inglês para Instituto de Tecnologia de Massachusetts) em Boston, nos Estados Unidos. Durante quase uma hora, Dilma falou sobre as crises política e econômica brasileiras e disse estar preocupada com a tentativa de mudança nas "regras do jogo democrático" com uma eventual prisão do ex-presidente Lula para evitar sua candidatura para as eleições presidenciais de 2018. 


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Para Dilma, os atores do golpe que a destituiu em agosto do ano passado subestimaram a crise política que eles próprios criaram e agora sofrem as consequências, com um governo altamente impopular e travado pela crise econômica. A ex-presidenta ressaltou a necessidade de fortalecer a democracia e seus valores. Para ela, só eleições diretas vão recolocar o Brasil no caminho do desenvolvimento.

"A democracia é o lado certo da história e eu acredito no Brasil. Nós precisamos de eleições diretas. Só vamos retomar o desenvolvimento com eleições diretas", disse Dilma, que também se mostrou a favor do financiamento público. "Acho que financiamento público seria extremamente pedagógico para todos nós. O Brasil sempre melhorou quando a democracia existiu plenamente. Todos os governos democráticos agregaram. Você pode discordar, mas eram governos legítimos".

Reprodução / Dilma.com.br

A ex-presidenta Dilma Rousseff durante palestra na Universidade de Harvard, em Boston, nos EUA

Governo Temer reproduz atos da ditadura militar contra imprensa, diz Fernando Morais; veja vídeo

Cientistas brasileiros temem que cortes de Temer destruam pesquisas no país, diz revista Nature

Breno Altman: 'Segredo da Lava Jato é transformar cada investigação num grande espetáculo de mídia'

 

“Me preocupa que prendam o Lula, que tirem o Lula da parada”, disse a ex-presidenta. “Ele tem nas pesquisas 38% [de intenção de voto] mesmo com tudo que fizeram. Acho que Lula tem que concorrer, se perder é das regras do jogo". As falas de Dilma sobre Lula provocaram reações na plateia. "Deixa ele (Lula) concorrer para ver se ele não ganha".

A ex-presidenta reconheceu que o PT errou ao longo dos últimos anos, mas ressaltou que a reconstrução dos valores democráticos do país passa pelos partidos. Ela alertou para os chamados "salvadores da pátria". “Não podemos acreditar em salvadores da pátria. Não há diálogo sem partido político”, disse Dilma.

Mesmo citar especificamente a Operação Lava Jato, a ex-presidenta criticou a perseguição a partidos e empresas públicas, que se iniciou desde a deflagração da operação. "Você não pode destruir um partido ou uma empresa. Que se punam os indivíduos. O partido em si não pode ser corrupto". Dilma afirmou que, pessoalmente, tem restrições às empreiteiras, mas "não se pode destruir a engenharia brasileira" e reforçou que os culpados precisam ser punidos.

"Eu não tenho medo nem culpa", finalizou Dilma Rousseff.

 

*Com GGN e Brasil 247



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas