Prisão de Humala é dia 'muito triste' para o Peru, diz Kuczynski; ex-presidente fala em 'abuso de poder'

Ex-presidente Ollanta Humala e a esposa, Nadine Heredia, foram presos na noite desta quinta; "esta é a confirmação do abuso de poder, que nós vamos enfrentar", disse ex-mandatário; ex-primeira-dama diz não haver provas

Atualizada às 13h41

O presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, considerou que seu país vive nesta sexta-feira (14/07) "um dia histórico e muito triste" após a prisão preventiva, na noite de quinta (13/07), de seu antecessor no cargo, Ollanta Humala (2011-2016), e sua esposa, Nadine Heredia, por corrupção. Pouco antes de ser preso, Humalla disse que a detenção era uma confirmação de "abuso de poder'.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"O dia é histórico, certamente. Afinal é muito triste o que está ocorrendo e espero que o processo do senhor Humala e de sua esposa transcorra rápido e de forma transparente (...) Não opinarei sobre o processo, só peço que seja rápido, porque a prisão preventiva é um tema bastante discutido", afirmou Kuczynski, do partido de direita PPK (Peruanos por el Kambio), nas primeiras declarações públicas após ser divulgada a detenção do ex-presidente.

O atual mandatário afirmou lamentar a prisão de Humalla. "Tomo [a prisão] com muita tristeza. A verdade, e quero dizer, é que estamos fazendo todos os esforços para que haja processos rápidos, os devidos processos. Mas isso depende da Procuradoria e do Poder Judicial, que são autônomos, e não do Executivo", disse.

Agência Efe

Humalla e a esposa, Nadine, foram presos nesta quinta-feira sob acusações de corrupção

Presidente do Peru, Kuczynski diz que 'é o momento' de avaliar indulto para ex-ditador Fujimori

Justiça peruana nega pedido de habeas corpus para ex-presidente Alberto Fujimori

Peru: ex-presidente Ollanta Humala é preso por acusação de lavagem de dinheiro

 

Kuczynski afirmou que a decisão do juiz Richard Concepción Carhuancho, de condenar a 18 meses de prisão preventiva o ex-presidente e sua mulher, constitui "um dia trágico para a família". O atual presidente disse que a situação é "trágica e lamentável" também para a imagem pública do Peru, com três ex-presidentes com graves problemas com a Justiça, e defendeu a luta contra a corrupção do seu governo. "Pelo menos nesse assunto a imagem do Peru é boa, é um país que tomou medidas drásticas com um grande custo econômico e que está surgindo", acrescentou.

Ex-presidente nega acusações

Humala e Heredia foram presos na noite de quinta em cumprimento a uma ordem de prisão preventiva por 18 meses, sob acusação de lavagem de dinheiro ao receber dinheiro por meio de caixa dois. O pedido de prisão preventiva de Humala foi feito a partir da delação de Marcelo Odebrecht, que afirmou ter destinado US$ 3 milhões para campanhas eleitorais do então candidato. 

Logo após a sentença do juiz e quando estava a caminho do tribunal, Humala, que nega as acusações, se pronunciou no Twitter. “Esta é a confirmação do abuso de poder, que nós vamos enfrentar, em defesa de nossos direitos e dos direitos de todos”, disse o ex-presidente, que deixou o poder em julho do ano passado, com a posse de Kuczynski.

Heredia, ex-presidente do centro-esquerdista Partido Nacionalista Peruano, hoje liderado por seu marido, também se manifestou. “Apesar da arbitrariedade, estamos aqui, confiamos que esta decisão será revertida, por se tratar de justiça”, disse, também em seu perfil no Twitter. “Agradeço aos que não sentenciam antes do tempo e acreditam na inocência até que existam provas em contrário. Hoje, elas não foram apresentadas”, acrescentou.

A defesa do casal recorreu da medida tomada após uma audiência que durou cinco horas, em que o juiz apresentou seus argumentos para aceitar o pedido de prisão preventiva contra o casal. Ele afirmou que convergiram diversos critérios, como a gravidade da pena e a quantidade dos danos causados, que justificaram a decisão, que ele classificou como “idônea e necessária”, bem como “proporcional” aos crimes praticados.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Deputados barram lei de aborto aprovada pelo Senado no Chile

Projeto que autoriza aborto nos casos de risco de vida para a gestante, estupro ou má formação do feto vai a comissão mista para ser reavaliado; Michelle Bachelet criticou oposição por votar por 'ideologia ou religião' contra a lei

 

Notas sobre Marco Aurélio Garcia, um grande camarada

MAG combinou interesses econômicos e políticos com uma visão anti-hegemônica clara e firmou-se como leme de uma diplomacia que tinha o desenvolvimento e a construção de novas parcerias Sul-Sul como meta