Para que serve o plebiscito convocado pela oposição venezuelana

Oposição rejeita diálogo com governo e tenta boicotar a Assembleia Nacional Constituinte com plebiscito extraoficial convocado de maneira autônoma

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Nesta segunda-feira (17/07), a imprensa tradicional noticia, com destaque, que a oposição ao governo de Nicolás Maduro, na Venezuela, realizou uma consulta popular sobre a Assembleia Nacional Constituinte.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O plebiscito extraoficial foi convocado de maneira autônoma por oposicionistas que rejeitam qualquer possibilidade de diálogo com o governo, com objetivo de enfraquecer a Constituinte. Como a consulta popular não obedeceu aos trâmites legais e, portanto, não teve o respaldo do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), não é possível sequer saber a veracidade dos números apresentados.

Não há uma instituição que assegure que uma pessoa votou uma única vez, por exemplo.

Sob o argumento de que os eleitores poderiam ser perseguidos, líderes da oposição queimaram as cédulas de votação no final do dia.

Foro de São Paulo começa na Nicarágua com foco em solidariedade a Lula e à Venezuela

Venezuela faz ensaio para Constituinte e oposição realiza plebiscito informal neste domingo

Plebiscito da oposição é inconstitucional, diz jurista venezuelano

 

Brasil de Fato

Oposicionistas convocaram referendo rejeitando diálogo com governo

Foram três as perguntas: se aprova ou rejeita a Assembleia Constituinte, se deseja a convocação de eleições para a renovação dos poderes públicos e se gostaria de que todos os funcionários públicos e as Forças Armadas obedecessem e defendessem a Constituição de 1999.

“Eles podem perguntar o que quiserem, porque é um exercício político. O que não se pode confundir, fazendo pensar que isso possa ter algum valor jurídico”, comentou a presidente do CNE, Tibisay Lucena, em entrevista coletiva.

O que a oposição anuncia é que “Maduro foi revogado com resultado de plebiscito” ou “98% rejeitam constituinte de Maduro”.

A coalização oposicionista MUD (Mesa da Unidade Democrática) já declarou que o plebiscito é o marco zero de uma escalada em protestos com objetivo de bloquear as eleições para a Constituinte, no próximo 30 de julho.

Com o resultado de um plebiscito extraoficial e declarações de que novos protestos virão, a oposição reforça seu boicote à Constituinte, alternativa oferecida pelo governo para solucionar a crise política.

Alguns setores da oposição não querem o diálogo, segundo eles mesmos já afirmaram. O exemplo mais recente é o do deputado venezuelano Juan Requesens, membro do partido Primero Justicia. Publicamente, disse que os protestos violentos são uma estratégia necessária para conseguir uma invasão estrangeira no país e derrubar o governo.

No mesmo dia em que a oposição convocou seu plebiscito, o CNE realizou uma simulação do processo eleitoral de 30 de julho, com objetivo de calcular o tempo médio de votação e para que o eleitorado possa se familiarizar com as ferramentas de votação.

(*) Publicado em Nocaute

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Mulheres começam a dirigir na Arábia Saudita

Abertura é reflexo de uma mobilização de quase três décadas em defesa dos direitos das mulheres sauditas; as primeiras campanhas pelo direito a dirigir ocorreram nos anos 1990