Padres da Austrália dizem que preferem ir presos a denunciar abusos sexuais contra crianças

Investigação de 4 anos sobre abusos contra menores nas instituições religiosas e públicas da Austrália propõe penalizar quem não denunciar casos, mesmo quem tiver tido conhecimento deles por meio da confissão

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

As autoridades da Igreja Católica da Austrália declararam nesta terça-feira (15/08) que os padres não são obrigados a expor os abusos sexuais contra menores revelados no confessionário, e preferem ir para a prisão a romper o segredo de confissão.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

As declarações foram dadas um dia após a divulgação de uma investigação nacional realizada por uma comissão australiana por mais de quatro anos, que busca respostas sobre casos de pedofilia nas instituições religiosas e públicas do país.

O trabalho apresenta 85 propostas de reforma do sistema penal, as quais incluem penalizar quem não denunciar casos de abusos, ou mesmo quem tiver tido conhecimento deles por meio da confissão.

Segundo o relatório "Justiça Criminal", não deve haver isenções, "nenhuma desculpa, proteção ou privilégio" aos padres que não alertem a polícia por considerarem que "a informação sobre os abusos sexuais foi obtida mediante a confissão".

O texto ainda diz que a comissão "soube de casos em ambientes religiosos em que os agressores, que fizeram uma confissão religiosa sobre o abuso sexual de crianças, continuaram com os crimes e pediram perdão".

Agência Efe

Cardeal George Pell foi indiciado por pedofilia na Austrália

Mais de 500 crianças foram vítimas de violência em catedral católica na Alemanha, aponta denúncia

Mais da metade dos universitários na Austrália sofreu assédio sexual em 2016, diz estudo

Itália: Homem ejacula em mulher em ônibus e Justiça decide que masturbação em público não é crime

 

O início da polêmica aconteceu desde que o cardeal australiano George Pell, prefeito da Secretaria de Economia do Vaticano, se tornou pivô de um escândalo que pode abalar o discurso de combate aos abusos na Igreja que marca o Pontificado do papa Francisco.

Considerado um dos principais conselheiros de Jorge Bergoglio, Pell, 76, anos, é acusado pela polícia do Estado de Vitória, na Austrália, de crimes sexuais supostamente cometidos na década de 1970, quando ele era padre no país.

Ao longo dos anos, o religioso foi interrogado em diversas ocasiões, além disso foi investigado por proteger padres pedófilos entre as décadas de 1970 e 1980, quando ocupava postos de destaque nas dioceses de Melbourne e Ballarat. Pell nega qualquer envolvimento e será ouvido novamente no próximo dia 6 de outubro.

Atualmente, o Vaticano recebe cerca de 600 denúncias de pedofilia por ano, mas nenhuma contra um prelado de tamanha importância na estrutura da Santa Sé.

Entre 1980 e 2015, a Igreja Católica, extremamente presente na Austrália, recebeu queixas de mais de 4 mil pessoas alegando abusos de menores cometidos por cerca de 1.880 religiosos. 

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

'Não podemos mais confiar na Casa Branca'

Ministro do Exterior da Alemanha reage às declarações de Trump, que descreveu a UE como um 'inimigo' dos EUA no comércio. Heiko Maas convoca uma Europa 'unida e soberana' para preservar a parceria com Washington