Cientista político explica 'saudade de Lula': 'Quando Lula era presidente, minha vida era melhor', pensa eleitor

Para Vitor Marchetti, da UFABC (Universidade Federal do ABC), melhor momento da economia brasileira desde a redemocratização explica nostalgia do período 2003-2010, revelada por pesquisa divulgada pelo jornal Valor Econômico

A combinação de duas pesquisas divulgadas nos últimos dias é reveladora dos motivos pelos quais o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se mantém à frente das intenções de voto para 2018. Nesta quarta-feira (15/02), pesquisa CNT/MDA divulgou estudo reiterando a preferência por Lula, que continua liderando com 30,5%, 31,8% e 32,8%, dependendo do cenário de primeiro turno. Na segunda-feira (13/02), o jornal Valor Econômico tornou pública pesquisa qualitativa realizada pela empresa Ideia Inteligência, segundo a qual a intenção de votar no ex-presidente se deve a um sentimento de saudade, ou nostalgia, do período de seu governo, de 2003 a 2010.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Essa “saudade” é explicada, principalmente, pelo fato de ter sido uma época em que se ganhava melhor e o povo se sentia mais valorizado. Portanto, o aspecto econômico é o óbvio e principal fator que explica a persistência de Lula à frente das pesquisas, apesar das denúncias e campanhas midiáticas contra ele, na opinião do cientista político Vitor Marchetti, da UFABC (Universidade Federal do ABC). “Se tomarmos por verdade que, do ponto de vista de desempenho eleitoral, a questão do desemprego e do poder de compra são fundamentais, o período Lula, nesses quesitos, foi o melhor momento da economia brasileira desde a redemocratização”, diz.

A respeito do que se cristaliza na memória da população como “lembrança positiva”, o povo não está interessado e nem compreende aspectos mais complexos da economia, se as commodities ajudaram o governo, ou como andava a economia mundial ou qual era a política monetária do Banco Central.  

Ricardo Stuckert

'Lula é alguém que tem uma capacidade de comunicação muito grande. Me parece que é uma combinação importante para criar essa imagem positiva e duradoura', diz cientista político

'Moraes no STF expõe tentativa de frustrar a Lava Jato'

Parque Ibirapuera, Pacaembu e até cemitérios: em vídeo, Prefeitura de São Paulo coloca cidade à venda; assista

Brasil vive 'grave crise democrática' e cinema nacional 'corre risco de acabar', dizem cineastas em Berlim

 

“Do ponto de vista de um eleitor que está passando na rua e é entrevistado por uma pesquisa, ele se lembra do poder de compra, da valorização do salário mínimo, do desemprego baixo, do colchão de benefícios sociais da época. São questões racionais, imediatas e simples. O fato é que esse eleitor pensa: ‘quando Lula era presidente da República, minha vida era melhor’.”

Fora os aspectos econômicos que se refletem diretamente na vida das pessoas, há outro fator para a nostalgia ou saudade de Lula, de acordo com o cientista político. “Somado ao fato de ter sido com ele o melhor momento econômico desde a redemocratização, Lula é alguém que tem uma capacidade de comunicação muito grande. Me parece que é uma combinação importante para criar essa imagem positiva e duradoura, que persiste apesar das questões como denúncias de corrupção, toda a imagem negativa vendida até agora”, diz Marchetti.

Para ele, a memória positiva refletida pelas pesquisas em que o ex-presidente lidera persistentemente mostra como as questões mais recentes ligadas às denúncias são “limitadas e não conseguiram destruir sua imagem”. “É preciso lembrar também que esse capital do Lula foi capaz de eleger a Dilma duas vezes. Ainda era o capital político vindo dos anos Lula e PT.”

 

*Publicado originalmente no site Rede Brasil Atual


Outras Notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias