Em coletiva com Obama, Cameron defende BP e descarta investigação sobre libertação de Megrahi

Em coletiva com Obama, Cameron defende BP e descarta investigação sobre libertação de Megrahi

Agência Efe

O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, defendeu nesta terça-feira (20/7) a BP (British Petroleum) das críticas pelo vazamento de petróleo no Golfo do México e descartou uma investigação sobre o papel da companhia na libertação do terrorista líbio Abdelbaset Al Megrahi.

Cameron, que se reuniu com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, no Salão Oval e depois seguiu para um almoço de trabalho com o vice-presidente Joe Biden, também abordou questões como a guerra no Afeganistão, a situação no Oriente Médio e a crise econômica global.

Após da convocação dos diretores da BP por parte de uma comissão do senado norte-americano para esclarecer o papel da companhia na libertação de Megrahi no ano passado, Cameron pediu ao governo de Obama que não confunda à petrolífera com o caso dessa libertação.

Leia mais:
EUA pressionam BP sobre possível fuga de óleo no Golfo do México
Vazamento da BP nos EUA já atinge todos os estados do Golfo
México e EUA temem desastre ambiental após vazamento de petróleo
Vazamento de petróleo no Golfo é cinco vezes maior do que o previsto

Megrahi foi o único responsável condenado pelo atentado que matou 270 pessoas com a explosão de um avião americano sobre a cidade escocesa de Lockerbie, em 1989. A libertação do terrorista "foi uma decisão do governo autônomo escocês, não da companhia petrolífera", destacou o primeiro-ministro.

“A BP deve explicar que papel teve nessa libertação”, acrescentou Cameron, que ressaltou, no entanto, que "não há nenhum indício" de que o executivo escocês tenha sido influenciado por pressões da companhia petrolífera.

Megrahi foi devolvido a seu país porque supostamente sofria com um câncer de próstata terminal. Um ano depois ele segue vivo e em liberdade na Líbia, sem que haja indícios de uma piora no seu estado a saúde.

Segundo a imprensa britânica, a BP pressionou a favor da libertação, pois buscava concessões petrolíferas em águas líbias.

Na ocasião tanto Cameron, então líder da oposição, como o governo norte-americano criticaram duramente a decisão do governo escocês, por considerar que Megrahi deveria cumprir toda a sua condenação de prisão perpétua.

Na reunião desta terça-feira, os dois líderes afirmaram que aquela libertação foi um erro que "nunca deveria ter acontecido". No entanto, Cameron se declarou contra a abertura de uma investigação sobre a libertação do terrorista líbio no Reino Unido.

"Não é preciso uma investigação para dizer que a decisão foi uma má decisão", ressaltou.

O primeiro-ministro se mostrou aberto à possibilidade de publicar mais informações acerca do caso e prometeu "a colaboração adequada" com o senado dos EUA, que realizará uma audiência sobre a libertação e o papel que a BP desempenhou.

Durante sua estadia em Washington, Cameron ainda deve se reunir com um grupo de senadores para tratar dessa audiência. O presidente norte- americano, por sua vez, disse que dará "as boas vindas" a qualquer novo dado que esclareça as razões e as circunstâncias da decisão do executivo escocês.

Sobre a BP, Cameron afirmou que entende a frustração nos EUA Unidos com a companhia petrolífera por sua responsabilidade na "catástrofe" que é o derrame e disse que concorda que a empresa deve pagar pelos custos do vazamento.

No entanto, a BP é "uma companhia importante e convém a nossos dois países que siga sendo uma empresa estável e forte", defendeu Cameron.

O primeiro-ministro do Reino Unido encerra sua visita aos EUA na quarta-feira (21/7) em Nova York, onde se reunirá com o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, e participará de um jantar oferecido pelo prefeito da cidade, Michael Bloomberg.

Siga o Opera Mundi no Twitter


Comentários

Leia Também