Netanyahu convoca embaixador dos EUA sobre abstenção em voto na ONU contra política de assentamentos de Israel

Primeiro-ministro israelense acusou o governo Obama de elaborar e ser responsável pela aprovação da resolução que condena assentamentos judaicos em territórios palestinos

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, convocou neste domingo (25/12) o embaixador norte-americano no país, Dan Shapiro, para esclarecer o papel dos EUA na aprovação da resolução do Conselho de Segurança da ONU que condena assentamentos israelenses em território palestino. A inédita abstenção dos EUA na ONU em votações contra Israel levou à aprovação da resolução 2334 na última sexta-feira (23/12).


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Além de ordenar a suspensão dos contatos de caráter "civil e político" com a Autoridade Nacional Palestina (ANP) e do financiamento a quatro organismos da ONU, o governo israelense já havia convocado para esclarecimentos os embaixadores dos países com quem mantém relações diplomáticas e que votaram contra Tel Aviv no Conselho de Segurança. O primeiro-ministro ordenou também que o Ministério de Relações Exteriores reduza consideravelmente as relações com 12 destes países.

A convocação do embaixador dos EUA também é uma medida inédita nas relações entre os dois países, e pouco usual visto que o próprio Netanyahu irá conversar com Shapiro em seu gabinete, enquanto os outros representantes estrangeiros foram recebidos por oficiais do Ministério das Relações Exteriores, informou o jornal israelense Haaretz.

Agência Efe

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel, em meio a ministros em reunião semanal de seu gabinete

EUA: Trump nomeia ortodoxo David Friedman como embaixador em Israel

Tráfico de pessoas fez 63 mil vítimas no mundo entre 2012 e 2014, diz agência da ONU

Média de 14 pessoas morreram por dia em 2016 tentando cruzar o Mediterrâneo, segundo Acnur

 

A aprovação da resolução do Conselho de Segurança da ONU só foi possível devido à mudança de postura dos EUA, que havia vetado uma resolução similar em 2011. Os EUA são históricos aliados de Israel, mas a relação entre os governos Obama e Netanyahu vinha se deteriorando nos últimos anos, com Washington manifestando reiteradamente sua insatisfação com a expansão dos assentamentos judaicos patrocinados pelo Estado de Israel na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, territórios palestinos.

A resolução estabelece que os assentamentos “não têm validade legal e constituem uma violação flagrante da lei internacional” e pede que a comunidade internacional “faça a devida distinção entre o território do Estado de Israel e os territórios ocupados desde 1967”.

Ainda neste domingo, durante sua reunião semanal com os ministros de seu governo, Netanyahu culpou Obama pela aprovação da resolução. “Segundo as informações que temos, não temos dúvida de que a administração Obama iniciou, apoiou, coordenou o texto e exigiu a aprovação [da resolução]”, afirmou.

O primeiro-ministro israelense também disse que está ansioso para trabalhar com Donald Trump, que toma posse como presidente dos EUA no dia 20 de janeiro, “para reverter os efeitos danosos dessa resolução absurda”. Antes da votação do Conselho de Segurança, Trump pediu, por meio de um comunicado, que o governo Obama vetasse a resolução contra Israel. Após a aprovação do texto, Trump se manifestou em seu Twitter dizendo que “as coisas serão diferentes após 20 de janeiro” na relação entre seu país e a ONU.



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Ex-presidente da Coreia do Sul é presa

Park Geun-hye é acusada pelos crimes de suborno, abuso de autoridade e vazamento de documentos oficiais; tribunal expede mandado por risco de destruição de provas e gravidade das acusações

 

Mais Lidas