Bolívia e Chile rechaçam ameaças dos Estados Unidos de intervenção militar na Venezuela

Procurador-geral da Venezuela, Tarek William Saab, denunciou supostos planos colombianos, com apoio norte-americano, para uma invasão em seu país

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O presidente da Bolívia, Evo Morales, e o chanceler chileno, Heraldo Muñoz, rechaçaram nesta terça-feira (13/02) as ameaças de uma intervenção militar na Venezuela pelos Estados Unidos.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Morales pediu que se realize uma reunião de emergência da Unasul (União Sul-Americana de Nações) para discutir as ameaças.

“Quero aproveitar esta oportunidade para expressar nossa solidariedade com a Venezuela, ante as constantes ameaças de intervenção. Os EUA têm que deixar de nos ameaçar. A Unasul deveria convocar uma reunião de emergência e fazer respeitar a soberania de um povo irmão”, disse, pelo Twitter.

Por sua vez, Muñoz afirmou, em Lima, que o Chile nunca estaria a favor “de uma intervenção militar ou de outra natureza na Venezuela”.

“Nos opomos aos golpes de Estado e ao uso da força; queremos uma saída pacífica, eleitoral, política para a situação”, disse o chanceler que, apesar disso, esteve reunido na capital peruana com outros representantes diplomáticos americanos e declarou rechaço às eleições presidenciais marcadas para 22 de abril.

Reprodução/Twitter
Evo Morales rechaçou ameaças de intervenção militar na Venezuela

Governo venezuelano assina rascunho de acordo de paz, mas oposição se nega; conversas seguem

Venezuela marca data das eleições presidenciais deste ano: 22 de abril

Oposição da Venezuela se recusa a assinar acordo e negociações com governo são interrompidas

 

O Partido Comunista do Chile também se pronunciou sobre as ameaças. Em nota, a agremiação fez um chamado aos “democratas para defender a soberania e autodeterminação dos povos. “A política exterior estadunidense, tanto no passado, como no presente, nos mostra que está disposta a avalizar intervenções militares e golpes de Estado. (…) Não ao intervencionismo dos Estados Unidos na Venezuela”, diz o comunicado.

Ameaças dos EUA

Há uma semana, o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, fez uma viagem por México, Peru, Argentina e Colômbia logo após sugerir, em uma palestra na Universidade do Texas, que militares poderiam intervir na Venezuela.

Logo após a viagem de Tillerson, o presidente colombiano Juan Manuel Santos anunciou medidas para restringir a entrada de refugiados venezuelanos no país e mobilizou 3.000 unidades militares para “reforçar” o controle militar na fronteira.

No começo da semana, o procurador-geral da Venezuela, Tarek William Saab, denunciou supostos planos colombianos, com apoio norte-americano, para uma invasão em seu país. "Da Colômbia, estão planejando nada mais, nada menos que um bombardeio militar, a invasão militar, a ocupação a sangue e fogo de um país pacífico como a Venezuela", afirmou, em discurso transmitido pela emissora estatal VTV. "Aqui vamos combater e vamos resistir. Não temos medo!", completou.

(*) Com teleSUR

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

A música nos livros

A música nos livros

Música clássica, música popular, música engajada, música e política, música num romance policial. Se você gosta de música, não pode deixar de conhecer esses 20 títulos da editora Alameda. Clique aqui e confira. O frete é grátis.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias