Atual presidente e candidato "uribista" irão disputar segundo turno na Colômbia

Outro personagem importante da eleição foi a alta abstenção: cerca de 60% dos colombianos não votaram

Atualizada às 19h57

O candidato do Centro Democrático, Óscar Iván Zuluaga, é o mais votado nas eleições presidenciais realizadas neste domingo (25/05) na Colômbia com 29,27% dos votos, seguido de perto pelo presidente Juan Manuel Santos, com 25,63%, quando já foram apurados 99,51 % dos sufrágios. Com isso, o atual presidente e Zuluaga, apradinhado pelo ex-presidente Álvaro Uribe, disputarão a presidência em um segundo turno programada para o próximo dia 15 de junho.

Efe

Zuluaga fala à imprensa após votar em colégio eleitoral de Bogotá. Político pertence ao partido de direita Centro Democrático

Em terceiro lugar aparece Marta Lucía Ramírez, do Partido Conservador, com 15,55%, seguida pela esquerdista Clara López, do Polo Democrático Alternativo (PDA), com 15,28%; e Enrique Peñalosa, da Alianza Verde, com 8,33%. Outro personagem importante do pleito foi a alta abstenção: cerca de 60% dos colombianos aptos a votar não foram às urnas. 

Leia mais: 7 fatos sobre Juan Manuel Santos nas eleições colombianas

Foto:

Candidato de Uribe é acusado de espionar e tramar ações contra presidente da Colômbia

Acordo de paz com guerrilha marca reta final da eleição presidencial colombiana

Com poder de mudar eleições, voto em branco deve atingir recorde histórico na Colômbia

 

A jornada eleitoral se caracterizou pela tranquilidade, sem incidentes graves de nenhum tipo, como consequência do cessar-fogo unilateral decretado pelas guerrilhas. Santos - economista de 62 anos que é forte aliado dos EUA -, fez progresso nas conversas de paz com as FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), o que é considerado um marco da sua presidência. Ele promete chegar a um acordo definitivo de for reeleito para um segundo mandato de quatro anos.

Leia mais: Candidato de Uribe é acusado de espionar e tramar ações contra presidente da Colômbia

Já Zuluaga, vem atacando fortemente o processo, dizendo que o governo daria a guerrilheiros imunidade judicial em troca do desarmamento. "Não se pode fazer com que a paz dependa de defender as FARC, como esse governo quer", disse Zuluaga, um ex-ministro de Finanças de 55 anos, em debate presidencial ocorrido na última quinta-feira. Toda a campanha foi marcada por uma forte troca de acusações e denúncias mútuas

Leia Mais

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias