Leia discurso da presidente Dilma durante Encontro de líderes globais sobre igualdade de gênero e empoderamento das mulheres

"Chamo a atenção para o drama das mulheres que vivem em zonas de conflito, e daquelas que cruzam mares e muros em busca de refúgio. Acolhê-las é imperativo ético", disse

Imprensa Planalto

Dilma discursou neste domingo (27/09) no encontro de líderes globais sobre igualdade de gênero e empoderamento das mulheres

Saúdo todos os homens e mulheres aqui presentes,

Felicito o Governo da China e da ONU, e à ONU Mulheres por este Encontro.

Há 20 anos, o mundo assistiu, em Pequim, à 4ª Conferência das Nações Unidas sobre a Mulher: Ação para a Igualdade, o Desenvolvimento e a Paz. Essa conferência consagrou três inovações que se tornaram fundamentais na luta das mulheres, o conceito de gênero, a noção de empoderamento e o enfoque de que a igualdade de gênero tem múltiplas dimensões: trabalho, educação, combate à violência, legislação, etc.

As mulheres brasileiras foram agentes e beneficiárias dessa ampliação de autoconsciência, dessa luta e das conquistas daí advindas. Mesmo reconhecendo que muito ainda falta por fazer, é importante destacar que no Brasil obtivemos avanços expressivos em matéria de legislação, de políticas de gênero, equipamentos públicos, ações voltadas para assegurar os nossos direitos. O combate à violência contra mulheres e meninas, no Brasil, foi fortalecido pela Lei Maria da Penha, que criminaliza a agressão contra a mulher. Demos agora mais um passo com a sanção da Lei do Feminicídio, que transformou em crime hediondo e inafiançável o assassinato de mulheres por motivação de gênero.

Estamos implantando, em todo o País, a Casa da Mulher Brasileira, para dar apoio, assistência e proteção às mulheres vítimas de violência.

As mulheres também vêm sendo protagonistas do processo de inclusão social em curso no Brasil. Elas são as principais receptoras das políticas de renda e de acesso à moradia, à saúde e à educação.

Ao superarmos a fome e darmos prioridade ao combate à pobreza, demos oportunidades para milhões de mulheres construírem suas vidas e de suas famílias. No Brasil, a pobreza tinha face: era mulher, era negra e era jovem. Todas essas políticas estão articuladas a ações de combate ao racismo e à discriminação por orientação sexual. Envolvem, igualmente, a promoção dos direitos das pessoas com deficiência e das pessoas idosas.

Em nome do governo brasileiro, trago uma mensagem de firme compromisso com a implantação da Plataforma de Ação definida em Pequim e com os avanços que incorporamos ao longo do tempo. Com a igualdade de gênero, com empoderamento da mulher, com a realização dos direitos da mulher em todas as áreas. Esse é o nosso compromisso.

Brasil, Alemanha, Índia e Japão se colocam como 'candidatos legítimos' e pedem reforma no Conselho de Segurança da ONU

Ato em SP relembra um ano do desaparecimento dos 43 estudantes de Ayotzinapa, no México

Na ONU, Dilma anuncia meta do Brasil de reduzir em 43% emissão de gases estufa até 2030

 


Senhoras e senhores,

Pequim nos deixou um legado. Devemos percorrer o caminho do nosso empoderamento. As mulheres não são apenas destinatárias de políticas e de iniciativas públicas. Devemos falar por nós mesmas. A qualificada presença feminina na política, na ciência, nas artes e nos negócios ainda não se reflete adequadamente em sua representação nas condições e funções de liderança – seja nos Parlamentos, na Academia, na Mídia ou nos conselhos das Corporações.

Mudemos esta realidade, no Brasil e no mundo. Aliás, a sabedoria chinesa diz que a mulher é a metade do céu. Há 20 anos, na 4ª Conferência de Pequim, nós resolvemos que seríamos também, pelo menos, a metade da terra.

Queridas amigas,

Chamo a atenção para o drama das mulheres que vivem em zonas de conflito, e daquelas que cruzam mares e muros em busca de refúgio. Acolhê-las é imperativo ético; é, também, construir um mundo de paz, tolerância e justiça. O Brasil abre seus braços para todas.

Finalmente, gostaria de explicitar alguns compromissos do governo brasileiro: com a universalização do atendimento humanizado a todas as mulheres em situação de violência; ao desenvolvimento de ações de participação maior das mulheres na política; ao desenvolvimento, também, da mulher em todos os níveis educacionais da creche ao pós-graduação; o fortalecimento da saúde materna; ao atendimento das meninas que têm, diante de si, um futuro.

Agradeço a todos a atenção, muito obrigada.

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Mugabe reaparece em público após intervenção militar

Oficialmente em prisão domiciliar, presidente do Zimbábue é visto em público pela primeira vez desde que Forças Armadas assumiram o controle do país; sua saída do poder, após quase quatro décadas, ainda é incerta.