Estudantes de agronomia da UFG pedem 'menos amor e mais agrotóxico'

Pesticida mais consumido no mundo, glifosato é apontado por muitos pesquisadores como causa de câncer

Eles estudam agronomia. E pedem: “Menos amor e mais glifosato, por favor”, em referência ao pesticida mais consumido no mundo, comercializado pela Monsanto como Roundup. A foto com essa frase nas camisetas rodou as redes sociais após ter sido publicada no site da Emater (Agência de Assistência Técnica, Extensão Rural e Produção Agropecuária) goiana. É produzida pela associação atlética dos estudantes de agronomia da UFG (Universidade Federal de Goiás).


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Também conhecido como mata-mato, o glifosato – ingrediente ativo do Roundup – “provavelmente” causa câncer, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde). Outras pesquisas realizadas dizem o contrário. Em junho, o Estado da Califórnia, nos Estados Unidos, informou que listará o produto como causador de câncer. A ECHA (Agência Química Europeia, na sigla em inglês) o liberou.

Sua utilização é criticada por organizações como o Greenpeace, WWF, Oxfam e Slow Food. Mais de 1,3 milhão de pessoas assinaram uma petição para seu banimento na União Europeia. A documentarista francesa Marie-Monique Robin, autora de filme sobre a Monsanto, define o glifosato como "maior escândalo sanitário da história".

No Brasil, o uso do pesticida é criticado por pesquisadores como Wanderlei Pignati, da UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso), e Raquel Rigotto, da UFC (Universidade Federal do Ceará). A Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida e o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) também fazem alertas frequentes sobre esse e outros venenos.

Reprodução Twitter @ematergo

Estudantes 

Estudantes faturam com camiseta

Os estudantes brasileiros conseguiram emplacar a foto em uma notícia sobre o consumo de soja por humanos, publicada pela Emater (e reproduzida, com outra imagem, pelo site Agrolink), sobre o evento Agro Centro-Oeste Familiar 2017, realizado em Goiânia, em junho.

16,4 milhões de norte-americanos acham que leite com chocolate vem de vaca marrom, indica estudo

Equipe de cientistas liderada por português testa substância que pode se tornar 1ª vacina contra malária da história

Cientistas norte-americanos testam vacina contra câncer de pulmão desenvolvida em Cuba

 

O link foi retirado do ar, mas o site Ambiente do Meio conseguiu registrar a imagem. Que ainda pode ser encontrada, também, no Twitter da própria Emater, em post do dia 12 de junho – conforme o De Olho nos Ruralistas constatou, um mês depois, nesta segunda-feira (10/07).

Reprodução / Ambiente do Meio

Nota publicada no site da Emater-GO ilustrada com foto de estudantes da UFG com a camiseta

Instagram da associação atlética dos estudantes da Escola de Agronomia da UFG divulgou em março a camiseta “por menos amor e mais glifosato”. Apresentada naquele mês como uma novidade, ela é vendida por R$ 35.

Diante da repercussão da foto, a Emater emitiu nota de esclarecimento dizendo que nem ela, nem a UFG, nem a organização da Agro Centro-Oeste Familiar têm qualquer ligação com a produção “ou incentivo ao uso” da camiseta.

A agência diz respeitar o direito à liberdade de expressão, garantido pela Constituição, e que incentiva “toda e qualquer prática sustentável de produção agropecuária apoiada em procedimentos seguros e ambientalmente corretos, afiançados pela legislação vigente”. 

 

Publicado originalmente no site De Olho Nos Ruralistas


Outras Notícias

Destaques

Publicidade

A XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP se propõe a debater diversos temas de suma importância no mundo global, diverso, construído por múltiplas interseccionalidades e difíceis obstáculos que emergem em tempos nebulosos, incertos e de repressão e transgressão. Assim, o Centro Acadêmico de Relações Internacionais da PUC-SP convida todos a participarem de uma semana repleta de debates, circunscrevendo: a Segurança Pública e Internacional; aos desafios da migração num mundo de muros e fronteiras; aos direitos em oposição com a determinação neoliberal; aos discursos de resistência e política do Sul outrora colonizado; a inserção internacional brasileira pela política externa e comercial; aos desafios da saúde num mundo global e capitalista. Mini-cursos sobre desenvolvimento da África e narrativas alternativas ao desenvolvimento progressivista na América Latina e um workshop com a Professora Dra. Mônica Hirst serão oferecidos
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias