A gênese da barbárie

Como jornalistas, políticos, escritores e diplomatas tiveram responsabilidade na nomeação de Adolf Hitler para chanceler

Samuel Pinheiro Guimarães

Todos os posts do autor

Fernando Schüler, jornalista e cientista político, disse nesta terça (23/10), na coluna de Bernardo Melo Franco, em O Globo, que as instituições serão capazes de limitar Jair Bolsonaro, se eleito.

Veja a gênese da barbárie no artigo do historiador alemão Volker Ullrich, publicado em fevereiro de 2017 no jornal DIE ZEIT.

“Espere calmamente”

Volker Ullrich

Argumentaram que ele seria mais razoável uma vez no cargo e que seu gabinete iria domá-lo.

Um ditador? Fora de questão!

Como jornalistas, políticos, escritores e diplomatas tiveram responsabilidade na nomeação de Adolf Hitler para chanceler.


Há razão para se preocupar? “Não”, pensou Nikolaus Sieveking, funcionário do Arquivo de Economia Internacional de Hamburgo, Alemanha. “Acho que considerar a chancelaria de Hitler como um evento extraordinário é infantil o suficiente para deixar esse sensacionalismo para seus leais seguidores”, escreveu ele em seu diário em 30 de janeiro de 1933.

Assim como Sieveking, muitos alemães não reconheceram inicialmente essa data como um ponto de virada dramático. Poucos sentiram o que a nomeação de Hitler como chanceler realmente significava, e muitos reagiram ao acontecimento com uma indiferença chocante.

O chanceler do gabinete presidencial havia mudado duas vezes em 1932. Heinrich Brüning foi substituído no início de junho por Franz von Papen, que, por sua vez, foi substituído no início de dezembro por Kurt von Schleicher. As pessoas quase se acostumaram com esse ritmo. Por que o governo de Hitler deveria ser algo mais do que apenas um episódio? Nos noticiários Wochenschau*, exibidos nos cinemas, a informação sobre a posse do novo gabinete foi a última, depois dos grandes eventos esportivos. Isso, apesar do fato de Hitler ter explicado claramente em "Mein Kampf" e em incontáveis discursos antes de 1933 o que queria fazer uma vez no poder: abolir o “sistema" democrático da Alemanha de Weimar, "erradicar" o marxismo (pelo que ele queria dizer social-democracia e comunismo) e "remover" os judeus da Alemanha. Quanto à política externa, não fazia segredo do fato de que queria revisar o Tratado de Versalhes e que seu objetivo de longo prazo era a conquista do "Lebensraum no Oriente".

A camarilha do presidente alemão Paul von Hindenburg, que o colocou no poder por meio de uma série de intrigas, concordou com os objetivos de Hitler de impedir o retorno à democracia parlamentar, cortar as correntes do Tratado de Versalhes, armar maciçamente os militares e, mais uma vez, fazer da Alemanha o poder dominante na Europa. Quanto ao resto das intenções declaradas de Hitler, seus parceiros da coalizão conservadora estavam inclinados a descartá-las como mera retórica. Uma vez no poder, argumentavam, ele se tornaria mais razoável. Eles também acreditavam que haviam "enquadrado" Hitler de uma forma que permitiria que suas ambições pelo poder e a dinâmica de seu movimento fossem mantidas sob controle. "O que vocês querem?", perguntou aos críticos o vice-chanceler Papen, o verdadeiro arquiteto da coalizão de 30 de janeiro. "Eu tenho a confiança de Hindenburg! Em dois meses, teremos empurrado Hitler para tão longe que ele vai gritar.", assegurava Papen.

A sede de poder de Hitler não poderia ter sido mais subestimada. Os nove ministros conservadores do chamado "Gabinete de Concentração Nacional" claramente tinham mais peso do que os três Nacional-Socialistas. Mas Hitler também tratou de garantir que dois ministérios principais fossem preenchidos por seus homens: Wilhelm Frick assumiu o Ministério do Interior do Reich Alemão e Hermann Göring tornou-se ministro de gabinete sem pasta, além de ministro do Interior da Prússia, adquirindo poder sobre a polícia no maior estado da Alemanha­ - importante condição prévia para o estabelecimento da ditadura nazista.

O magnata da mídia e chefe do Partido Popular Nacional Alemão, Alfred Hugenberg, foi visto como o homem forte no gabinete. Ele recebeu o Ministério da Economia e Agricultura do Reich e da Prússia. O novo superministro supostamente teria dito ao prefeito de Leipzig, Carl Goerdeler, que havia cometido o "maior erro" de sua vida ao se alinhar ao "maior demagogo da história mundial", mas ainda hoje é difícil acreditar que tenha falado isso. Hugenberg, como Papen e os demais ministros conservadores, estava convencido de que poderia fazer Hitler abandonar suas próprias ideias e seguir a orientação dos demais.

Representantes de grandes empresas compartilhavam a mesma ilusão. Em um editorial no Deutsche Allgemeine Zeitung, que tinha laços estreitos com a indústria pesada, o editor-chefe Fritz Klein escreveu que trabalhar junto com os nazistas seria "difícil e cansativo", mas que as pessoas tinham que ousar "dar o salto" nas trevas "porque o movimento de Hitler tornou-se o ator político mais forte da Alemanha. O chefe do partido nazista teria agora que provar "se ele realmente tinha o que era necessário para se tornar um estadista". O mercado de ações também não parecia assustado. As pessoas estavam esperando para ver o que aconteceria.

Os conservadores que ajudaram Hitler a ascender ao poder e seus opositores no campo republicano estavam errados em sua avaliação da verdadeira divisão do poder. Em 31 de janeiro, Harry Graf Kessler, diplomata e patrono das artes, relatou ter conversado com Hugo Simon, ex-colega do ministro das Relações Exteriores Walther Rathenau, assassinado em 1922. "Ele vê Hitler como prisioneiro de Hugenberg e Papen. " Aparentemente, Kessler via da mesma forma, porque apenas alguns dias depois profetizou que o novo governo não duraria muito, já que só era mantido pelos “exageros e intrigas” de Papen”, e argumentou: "Hitler já deve ter percebido que foi vítima de uma fraude. Ele está preso, de mãos e pés, a esse governo e não pode se mover nem para frente nem para trás".

“Os sinais estão apontando para uma tempestade”

Em seu livro "Desafiando Hitler", escrito no exílio na Inglaterra em 1939, o jornalista Sebastian Haffner relembrou o "horror gélido" que sentiu quando soube da nomeação de Hitler enquanto trabalhava como funcionário do tribunal de Kammergericht, em Berlim, seis anos antes. Por um momento, ele "sentiu fisicamente (Hitler) o cheiro de sangue e sujeira". Mas na noite de 30 de janeiro, ele discutiu os pontos de vista do novo governo com seu pai, um educador progressista liberal, e eles rapidamente concordaram que, embora o gabinete pudesse causar muitos danos, ele não poderia ficar no poder por um tempo muito longo. "Um governo profundamente reacionário, com Hitler como seu porta-voz. Além disso, não difere muito dos dois governos que sucederam Brüning. Não, considerando todas as coisas, este governo não foi motivo de alarme."

Os grandes jornais liberais também argumentaram que nada realmente terrível aconteceria. Theodor Wolff, o editor-chefe do Berliner Tageblatt, via o gabinete como a personificação do que os grupos políticos de direita unidos queriam desde sua reunião em Bad Harzburg em 1931. Ele abriu seu editorial em 31 de janeiro escrevendo: "Foi alcançado. Hitler é o Chanceler do Reich, Hugenberg é o ditador da economia e as posições foram distribuídas como os homens da 'Frente Harzburger' queriam." O novo governo, disse ele, tentaria qualquer coisa para "intimidar e silenciar os oponentes". A proibição do Partido Comunista estava na agenda, assim como a redução da liberdade de imprensa. Mas mesmo a imaginação desse jornalista de reconhecida visão não foi longe o suficiente para conceber o poder de uma ditadura totalitária. Ele argumentou que havia uma "fronteira que a violência não iria atravessar". O povo alemão, que sempre se orgulhou da "liberdade de pensamento e de expressão", criaria uma "resistência emotiva e intelectual" e sufocaria todas as tentativas de estabelecer uma ditadura.     

No Frankfurter Zeitung, o editor de política Benno Reifenberg expressou dúvidas de que Hitler teria "competência social" para o cargo de chanceler, mas achava que a responsabilidade do ofício o transformaria de modo a que passasse a ser respeitado. Como Theodor Wolff, Reifenberg descreveu Hitler como "um julgamento errado e sem esperanças de que nosso país acreditasse que um regime ditatorial poderia ser forçado a isso". "A diversidade do povo alemão exige democracia", escreveu ele.                                 

Julius Elbau, editor-chefe do Vossische Zeitung, mostrou menos otimismo. "Os sinais estão apontando para uma tempestade", escreveu ele em seu primeiro comentário. Embora Hitler não tenha conseguido alcançar o poder absoluto que buscava - "não é um gabinete de Hitler, mas um governo Hitler-Papen-Hugenberg" - esse triunvirato estava de acordo, apesar de todas as suas contradições internas, que queria uma "ruptura completa com tudo o que veio antes". Dada essa perspectiva, o jornal advertiu que isso constituía "uma experiência perigosa, que só se pode observar com profunda preocupação e com a mais forte suspeita".

A esquerda também estava preocupada. Em seu apelo em 30 de janeiro, o líder do Partido Social-Democrata e seu grupo parlamentar no Reichstag pediram aos militantes que dessem início à "luta com base na Constituição". Cada tentativa do novo governo de prejudicar a Constituição, conclamavam, "será recebida com a mais extrema resistência da classe trabalhadora e de todos os elementos da população que amam a liberdade".

Com a insistência estrita na legalidade constitucional, a liderança do Partido Social Democrata (SPD) ignorou o fato de que os governos anteriores já tinham esvaziado a constituição e que Hitler não hesitaria em destruir seus últimos vestígios.

O Partido Comunista da Alemanha (KPD) também fez um erro de julgamento ao pedir uma "greve geral contra a ditadura fascista de Hitler, Hugenberg e Papen". Dado que havia 6 milhões de desempregados na Alemanha, poucos tinham o desejo de entrar em greve. O chamado para construir uma frente comum de defesa também não era muito popular entre os social-democratas, que os comunistas haviam difamado como "fascistas sociais" pouco tempo antes.

A ideia de agir fora do parlamento estava muito longe das mentes dos sindicatos. "Organização - não demonstração: essa é a palavra da hora!", declarou Theodor Leipart, chefe do Sindicato Geral da Alemanha, em 31 de janeiro. Na opinião dos representantes do movimento social-democrata dos trabalhadores, Hitler era um capanga das velhas elites de poder socialmente reacionárias- grandes proprietários de terra da região leste do Elba e a indústria pesada da Renânia-Vestfália. Em uma palestra no início de fevereiro de 1933, o legislador do SPD no Reichstag, Kurt Schumacher, descreveu o líder nazista como sendo apenas uma "peça de decoração". "O gabinete tem o nome de Hitler no mastro, mas na realidade o gabinete é Alfred Hugenberg. Adolf Hitler pode fazer os discursos, mas Hugenberg vai agir."

Os perigos que emanavam de Hitler não poderiam ter sido interpretados de forma mais grotesca. A maioria dos principais social-democratas e sindicalistas cresceram no Kaiserreich alemão. Eles poderiam imaginar uma repressão semelhante à lei antissocialista de Bismarck, mas não que alguém tentasse seriamente destruir o movimento dos trabalhadores em sua totalidade.

Hitler precisou de apenas cinco meses

O fato de a nomeação de Hitler significar que um antissemita fanático chegou ao poder deveria ter deixado os judeus da Alemanha, acima de tudo, nervosos. Mas esse não foi o caso. Em uma declaração feita em 30 de janeiro, o presidente da Associação Central dos Cidadãos Alemães da Fé Judaica disse: "Em geral, hoje, mais do que nunca, devemos seguir a diretiva: espere calmamente". Disse ainda que, embora se observe o novo governo "com profundas suspeitas", o presidente Hindenburg representa a "influência calmante" e por isso não havia razão para duvidar de seu "senso de justiça" e "lealdade à constituição". Como resultado, acrescentou, deve-se estar convencido de que "ninguém ousaria" "tocar nos nossos direitos constitucionais". E de acordo com editorial do jornal judeu Jüdische Rundschau, publicado em 31 de janeiro, "há poderes que ainda estão despertos no povo alemão que se levantam contra as políticas antijudaicas bárbaras". Levaria apenas algumas semanas até que todas essas expectativas se mostrassem ilusórias.

Diplomatas estrangeiros também fizeram falsas suposições sobre a natureza da mudança de poder. O cônsul geral americano em Berlim, George S. Messersmith, acreditava que era difícil fazer uma previsão clara sobre o futuro do governo de Hitler e falava de sua suposição de que representava um fenômeno de transição no caminho para uma situação política mais estável. Para o embaixador britânico Horace Rumbold, parecia que os conservadores tinham conseguido cercar os nazistas com sucesso. Mas ele também previu que em breve haveria conflitos entre os parceiros de coalizão porque o objetivo de Papen e Hugenberg de restaurar a monarquia não poderia ser conciliado com os planos de Hitler. Ele recomendou que o Ministério das Relações Exteriores adotasse uma atitude de esperar para ver o novo governo.

O embaixador francês Andre François-Poncet chamou o gabinete Hitler-Papen-Hugenberg de "experiência ousada", mas também sugeriu que seu governo permanecesse calmo e aguardasse novos desenvolvimentos. Quando encontrou Hitler na noite de 8 de fevereiro, durante uma recepção realizada pelo presidente alemão para o corpo diplomático, ficou aliviado. O novo chanceler parecia "aborrecido e medíocre", uma espécie de Mussolini em miniatura.

O enviado suíço, Paul Dinichert, ouviu falar da nomeação de Hitler enquanto almoçava com algumas "personalidades alemãs elevadas". Ele descreveu as reações em seu despacho para Berna assim: "As cabeças estavam abaladas. Quanto tempo isso pode durar?" "Poderia ter sido pior." Dinichert reconheceu, corretamente, que Papen era o mestre de marionetes por trás da instalação do novo gabinete. Mas, como a maioria dos outros comentaristas, errou ao descrever o resultado: "Hitler, que por anos insistiu em governar sozinho, foi forçado, cercado ou constrangido (faça a sua escolha), junto com dois de seus discípulos, entre Papen e Hindenburg. "

Raramente um projeto político foi revelado tão rapidamente como uma quimera como a ideia de que os conservadores "domariam" os nazistas. Em termos de astúcia tática, Hitler se elevava acima de seus aliados e oponentes. Em pouco tempo, ele os ultrapassou e os empurrou contra a parede, desalojando Papen de sua posição preferencial com Hindenburg e forçando Hugenberg a renunciar.

Hitler precisou de apenas cinco meses para estabelecer seu poder. No verão de 1933, os direitos fundamentais e a Constituição foram suspensos, os estados sofreram intervenção, os sindicatos foram esmagados, os partidos políticos banidos ou dissolvidos, a imprensa e o rádio enquadrados e os judeus despojados de sua igualdade perante a lei. Tudo o que existia na Alemanha fora do Partido Nacional-Socialista havia sido "destruído, disperso, dissolvido, anexado ou absorvido", concluiu François-Poncet no início de julho. Hitler, afirmou, "ganhou o jogo com pouco esforço". "Ele só teve que soprar - e o edifício da política alemã entrou em colapso como um castelo de cartas."

Comentários

Leia Também