Ho Chi Minh: uma vida de lutas e vitórias

"Triunfamos no presente e triunfaremos no futuro, porque nosso caminho é iluminado pela grande doutrina marxista-leninista"

Ho Chi Minh (1890-1969) foi a principal liderança vietnamita na revolução que libertou o país da Indochina da dominação colonial. Sua trajetória de lutas é longa e atravessa situações absolutamente diversas.

O vietnamita, em 1911, começa a trabalhar como cozinheiro num navio francês. Também na França, foi jardineiro e garçom.

Participou da fundação do Partido Comunista Francês. Com a Revolução Russa, parte em 1923 para Moscou, onde estuda táticas de guerrilha. Em 1925, é enviado à China, de onde é expulso, em 1927. Em 1930, está em Hong Kong, dirigindo o movimento anti-imperialista na Indochina, quando é preso pelos ingleses.

Em 1941, fundou a Viet Minh, uma liga pela independência que combaterá os japoneses durante a Segunda Guerra Mundial e que o leva a fundar, com o fim da guerra, um estado independente no norte do hoje Vietnã. A libertação dessa região se consolida em 1954, quando Ho Chi Minh, já presidente do Vietnã do Norte, treina e aparelha a guerrilha da Frente de Libertação Nacional do Vietnã do Sul. Essa guerrilha enfrentaria o exército do Vietnã do Sul e as forças armadas norte-americanas, numa guerra que acabaria apenas em 1975, alguns anos após a morte de Ho Chi Minh.

Ho Chi Minh passa a integrar o projeto Super-Revolucionários, série de cards publicados por Opera Mundi e pelo blog Nocaute com informações básicas sobre a atuação de homens e mulheres que dedicaram suas vidas à contestação e à revolução.

Nossos cards já incluem Leon Trotsky, Olga Benario, Karl Marx, Salvador Allende, Tina Modotti, Carlos Marighella e Rosa Luxemburgo.

Numa análise séria, mas sem perder o humor jamais, atribuímos "notas" à atuação dessas personagens históricas.

A ideia é, depois de alcançarmos um número suficiente de cartas, montar um jogo inspirado no conhecido Super Trunfo e publicar um livro com os cards e informações sobre esses super-revolucionários.

As notas são provisórias e estão sujeitas a modificação.

REBELDIA: 10

Ho Chi Minh (1890-1969) lutou em nome do socialismo em diferentes continentes: na França, ajudou a fundar o Partido Comunista Francês; na União Soviética, aprendeu a arte da guerrilha; na Ásia, foi um ator da luta pela libertação da China e do Vietnã.

DISCIPLINA: 10

A principal obra revolucionária de Ho Chi Minh, a unificação do Vietnã sob um regime socialista, só ocorreu em 1975, quando a guerrilha do Vietnã do Sul e as forças do Vietnã do Norte liberam todo o país. Ho Chi Minh não apenas foi disciplinado: montou uma frente de luta armada que não se dobrava aos ataques mais mortíferos dos Estados Unidos.

TEORIA: 8

A experiência e as ideias de Ho Chi Minh sobre a guerra de guerrilhas e sobre o imperialismo, seja o francês, seja o norte-americano, influenciaram teóricos e líderes de todo o planeta.

Võ Nguyên Giáp e Ho Chi Mihn em Hanói (Foto: Wikimedia)POLÍTICA: 8

Numa região de dupla influência socialista, com um histórico de séculos de conflitos com a China e uma relação privilegiada com a União Soviética, Ho Chi Minh foi capaz de unificar forças e manter a unidade.

COMBATIVIDADE: 10

Ho Chi Minh soube adotar as mais diferentes táticas e estratégias de luta. Junto com criativo general Võ Nguyên Giáp, comandou duas vitórias memoráveis em grandes batalhas, em Diên Biên Phu (em 1954, contra a França) e na chamada ofensiva Tet (em 1968, contra os Estados Unidos).

INFLUÊNCIA: 8

A experiência vietnamita inspirou revoluções e movimentos anticoloniais ao redor do mundo. As ideias de Ho Chi Minh sobre a relação do exército revolucionário com a população em geral revelam desprendimento e humildade.



Gostou dessa avaliação? Discorda? Comente no formulário abaixo:

As doze recomendações de Ho Chi Minh (1948)

As raízes da nação estão nas pessoas.

Na guerra de Resistência e na reconstrução nacional, a principal força está no povo. Assim, todas as pessoas no exército, na administração e nas organizações de massa que estão em contato ou que convivem com o povo devem lembrar e levar consigo as seguintes doze recomendações.

Seis proibições:

1 - Não danificar de nenhuma maneira a terra e as plantações ou as casas e bens das pessoas.

2 - Não insistir em comprar ou tomar emprestado o que as pessoas não desejam vender ou emprestar.

3 - Não levar galinhas vivas para as casas das pessoas nas montanhas.

4 - Nunca faltar com a palavra.

5 - Não ofender a fé e os costumes das pessoas (como mentir perante o altar, levantar os pés mais alto que o coração, tocar música em casa, etc.)

6 - Não fazer ou falar coisas que façam as pessoas pensarem que as desprezamos.

Seis permissões:

1 - Ajudar as pessoas em suas tarefas diárias (colher, juntar lenha, carregar água, costurar, etc.).

2 - Sempre que possível, comprar mercadorias para aqueles que vivem longe dos mercados (facas, sal, agulhas, fios, canetas, papel, etc.).

3 - Nas horas livres, contar pequenas estórias divertidas e simples úteis à Resistência, mas não revelar segredos.

4 - Ensinar à população a escrita nacional e a higiene básica.

5 - Estudar os costumes de cada região para se familiarizar com eles, de forma a criar uma atmosfera de simpatia no início e então explicar às pessoas gradualmente que diminuam suas superstições.

6 - Mostrar às pessoas que você é correto, diligente e disciplinado.

Comentários