Aula Pública: qual é a relação da crise brasileira com os movimentos sociais pelo mundo?

No novo episódio da Aula Pública, Reginaldo Nasser analisa como as lutas sociais pelo mundo estão inseridas em contextos urbanos e globalizados

No novo episódio da quarta temporada da Aula Pública, Reginaldo Nasser, doutor em Ciências Sociais pela PUC-SP, explica por que devemos analisar a crise política no Brasil em uma perspectiva internacional. Para o especialista, as relações entre crises nacionais e transnacionais estão cada vez mais conectadas. Portanto, é necessário discutir como as dinâmicas sociais estão se desenvolvendo pelos espaços urbanos e globalizados.

Saiba mais sobre a campanha de assinatura solidária de Opera Mundi

"Continuamos empregando a palavra Estado Nacional como se estivéssemos no século 18 e 19. A realidade mudou consideralvemente, pois agora temos espaços internacionalizados. Hoje não existe a separação entre esferas nacionais e internacionais. Há, na verdade, uma complexidade na relação entre empresas nacionais, transnacionais e também de governos. Portanto, é mais adequado falar em espaços internacionalizados, onde vários agentes estão atuando. Com a crise, vivemos no Brasil, por exemplo, um movimento de forças articuladas nos meios internacionais, como o capital financeiro", explica Reginaldo Nasser.


Assista ao primeiro bloco da Aula Pública com Reginaldo Nasser: qual é a relação da crise brasileira com os movimentos sociais pelo mundo?


Na segunda parte da Aula Pública, Reginaldo Nasser responde perguntas do público da PUC-SP, no campus Perdizes

Após questionar relatório da OCDE sobre Brasil, José Serra critica OMC durante visita a Paris

Crises no governo de Michel Temer aumentam chances de retorno de Dilma Rousseff, diz Time

Maduro acusa opositores de sabotar diálogo patrocinado pela Unasul para resolver crise venezuelana

 

Opera Mundi TV

Reginaldo Nasser discute relações entre crise e espaços internacionalizados

Leia Mais



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas