Historiadora testemunha na Corte de Roma contra ex-agentes da ditadura brasileira

Audiência faz parte do processo Condor brasileiro que julga envolvimento com assassinato do ítalo-argentino Lorenzo Vinãs Gigli
“Posso dizer que o Brasil foi o centro ideológico do Cone Sul. A doutrinação militar da Escola Superior de Guerra influenciou as outras ditaduras da América do Sul”, disse Federica Martellini, 39 anos, historiadora italiana que na manhã desta segunda-feira (11/09) testemunhou no processo condor brasileiro que tramita na justiça italiana. O caso julga o envolvimento de ex-agentes da ditadura brasileira (1964-1985) no assassinato do ítalo-argentino Lorenzo Vinãs Gigli. 


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

A audiência que aconteceu na aula principal da I Corte de Assisi do Tribunal de Roma durou cerca  40 minutos. Durante o tempo todo em que falou e expôs seus slides e textos onde descrevia quais eram e como atuavam os principais órgãos de repressão da ditadura brasileira entre eles o Serviço Nacional de Informações (SNI), o Departamento de Ordem Política e Social (DOPS) e o Destacamento de Operações de Informações do Centro de Operação de Defesa Interna (DOI-CODI), Martellini encontrou uma Corte interessada a cada palavra que dizia. 
 
A historiadora colaborou com o Ministério Público de 2003 à 2005 no processo Condor principal –cujo caso brasileiro é um desdobramento – e foi chamada para depor 10 anos após a conclusão de seu trabalho. Apesar do caso Vinãs não ter sido foco principal de sua pesquisa inicial, a parte histórica da época de atuação do plano Condor foi aprofundada, em especial a participação do regime brasileiro. Ela conta que foi emotivamente difícil voltar ao caso depois de tantos anos. “Uma coisa é ler documentos, estudar cartas processuais, outra é ver e ouvir o testemunho de pessoas que foram torturadas, que foram vítimas do plano Condor”, diz a reportagem de Opera Mundi, único veículo de comunicação brasileiro a acompanhar o processo. 

Janaína Cesar

Audiência durou cerca de quarenta minutos 
 
A pesquisadora mostrou mapas da cidade de Uruguaiana, que fica na fronteira do Brasil e Argentina onde o ítalo-argentino desapareceu em 26 de junho de 1980.  Viñas já havia sido preso em 1974 por sua militância no movimento Montoneros.  Por conta da perseguição política, ele e sua esposa Claudia Olga Allegrini decidiram vir para a Itália. Em junho de 1980, Viñas embarcou em um ônibus em Buenos Aires com destino ao Rio de Janeiro — sua esposa faria o mesmo percurso um mês de depois e juntos iriam para o país europeu. No entanto, Viñas não completou a viagem.

Comando uruguaio remanescente da Operação Condor ameaça matar brasileiro que investiga ditaduras do Cone Sul

Exclusivo: Ministério Público da Itália recorre contra absolvição de 19 militares acusados de crimes nas ditaduras do Cone Sul

O silêncio e o suicídio do tenente 'Chico Dólar', matador orgulhoso dos 'comunistas do Araguaia'

 
São acusados pelo assassinato de Vinãs os ex-agentes militares brasileiros João Osvaldo Leivas Job, Calos Alberto Ponzi, Átila Rohrsetzer e Marco Aurélio da Silva (este último faleceu em 2 de junho de 2016). Eles estão sendo processados à revelia na Itália, apesar disso apenas a família de Ponzi procurou em um primeiro momento se defender. Um filho do ex-agente chegou a contatar os advogados italianos que os estão representando, mas depois sumiu. 
 
Segundo o Ministério Público italiano, na data em que Vinãs fo sequestrado, Leivas Job era secretário de Segurança do Rio Grande do Sul; Ponzi chefiava a agência do SNI em Porto Alegre; Rohrsetzer era diretor da Divisão Central de Informações do Rio Grande do Sul; e Silva, delegado de polícia, cobria o cargo de diretor do Dops do Rio Grande do Sul. Rohrsetzer mora em Florianópolis e Leivas Job e Ponzi vivem em Porto Alegre. Marco Aurélio da Silva vivia, até sua morte, morava em uma praia do litoral gaúcho. 
 
Para a próxima audiência, marcada para o dia 26 de novembro, às 10h, serão chamados para depor o brasileiro Jair Krischke – Presidente do Movimento de Justiça e Direitos Humanos,  Claudia Olga Allegrini, viúva de Vinãs e Silvia Tolchinsky, militante Montonero sequestrada em Las Cuevas, fronteira da Argentina com o Chile, autora de uma carta endereçada a Allegrini, em que relata ter encontrado Viñas em uma prisão clandestina. As duas devem depor em vídeo-conferência.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

A XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP se propõe a debater diversos temas de suma importância no mundo global, diverso, construído por múltiplas interseccionalidades e difíceis obstáculos que emergem em tempos nebulosos, incertos e de repressão e transgressão. Assim, o Centro Acadêmico de Relações Internacionais da PUC-SP convida todos a participarem de uma semana repleta de debates, circunscrevendo: a Segurança Pública e Internacional; aos desafios da migração num mundo de muros e fronteiras; aos direitos em oposição com a determinação neoliberal; aos discursos de resistência e política do Sul outrora colonizado; a inserção internacional brasileira pela política externa e comercial; aos desafios da saúde num mundo global e capitalista. Mini-cursos sobre desenvolvimento da África e narrativas alternativas ao desenvolvimento progressivista na América Latina e um workshop com a Professora Dra. Mônica Hirst serão oferecidos
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias