Judith Butler responde aos ataques de ódio sofridos no Brasil

Em vídeo, filósofa explica por que desperta incômodos ao discutir gênero; 'nós temos alegria e liberdade do nosso lado', disse Butler

A filósofa norte-americana Judith Butler, que foi alvo de ataques de ódio durante sua passagem pelo Brasil na última semana, respondeu às manifestações de intolerância que sofreu nos últimos dias. Em vídeo publicado pela TV Boitempo, Butler comenta os discursos agressivos dos quais foi vítima e aponta para a escalada mundial conservadora.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"O mundo que os conservadores querem destruir, o mundo gay e lésbico, o mundo trans, o mundo feminista, já é muito poderoso. Eles não têm nenhuma chance de destruí-lo", disse a intelectual de 61 anos. Butler também afirmou que esse mundo "está sendo cada vez mais aceito e, quanto mais é aceito, com mais raiva eles ficam".

"É muito difícil para as pessoas que têm se beneficiado dessa dominação e se beneficiado do caráter hegêmonico do casamento heterossexual entender que outras pessoas que não são heterossexuais possam querer se casar, ou pessoas que não querem se casar, mas querem viver juntas e ter filhos, ou que mulheres possam querer ter filhos por conta própria através do uso de tecnologia reprodutiva, ou trabalhadoras do sexo possam querer ter direitos pelo trabalho que fazem e aposentadoria quando forem idosas", disse Butler.

Reprodução

Em vídeo, filósofa explica por que desperta incômodos ao discutir gênero

"Todas essas reinvidicações (...) embaralham a família heterossexual", afimou a filósofa que, entretanto, salientou que "existem heterossexuais casados e com filhos que também apoiam o casamento gay e lésbico, ou apoiam pessoas transexuais, ou apoiam pessoas intersexo, ou apoiam, mães solteiras, ou tecnologia reprodutiva, (...) então nem todos os heterossexuais são tão defensivos, nem todas as famílias heterossexuais pensam: 'Ah, toda família deve  se parecer exatamente como a nossa'".

Assista ao vídeo completo publicado pela TV Boitempo:

Instituto de Arquitetos do Brasil critica órgãos de defesa do patrimônio de SP por privilegiarem 'interesses privados'

Visita de Judith Butler ensina: ideologia de gênero e bruxas não existem

Justiça alemã aprova registro de pessoas do terceiro gênero

 

Intolerância

Butler veio ao Brasil para promover seu mais recente livro publicado no Brasil, Caminhos divergentes: judaicidade e crítica do sionismo”, lançado pela editora Boitempo neste ano, e para participar do seminário "Os Fins da Democracia", realizado no Sesc Pompeia, na última terça-feira (07/11). Durante o seminário, manifestantes se reuiniram em frente ao Sesc Pompeia para protestarem contra a presença e as ideias de Butler.

Enquanto outros manifestantes se juntavam para dar apoio à filósofa, cartazes com discurso de ódio e insultos eram proferidos pelos conservadores, que também queimaram um boneco de pano com o rosto de Butler. 

Na manhã da última sexta-feira (10/11), Butler foi agredida ao embarcar no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Segundo relatos de testemunhas, a escritora estava na área de check-in quando foi perseguida por uma mulher que segurava um cartaz com a foto desfigurada de Butler e gritava repetidos xingamentos, além de empurrá-la com o cartaz feito de madeira e cartolina.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Mugabe reaparece em público após intervenção militar

Oficialmente em prisão domiciliar, presidente do Zimbábue é visto em público pela primeira vez desde que Forças Armadas assumiram o controle do país; sua saída do poder, após quase quatro décadas, ainda é incerta.