Hoje na História: 1953 - Médicos são acusados de conspirar contra a URSS

'Conspiração dos Médicos' foi, segundo a versão oficial do Estado soviético, um complô de médicos judeus, sob ordens da inteligência estadunidense

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Max Altman (1937-2016), advogado e jornalista, foi titular da coluna Hoje na História da fundação do site, em 2008, até o final de 2014, tendo escrito a maior parte dos textos publicados na seção. Entre 2014 e 2016, escreveu séries especiais e manteve o blog Sueltos em Opera Mundi.

Atualizada em 12/01/2018 às 14:23


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Por intermédio do jornal Pravda, em editorial publicado em 13 de janeiro de 1953, o líder soviético Josef Stalin anunciou um novo expurgo. O motivo invocado foi novamente a suspeita de complô, e teve como alvo os médicos do Kremlin, daí o nome “Conspiração dos Médicos” ou “Complô dos Aventais Brancos”.

Eles eram suspeitos do assassinato de Andrei Jdanov, importante líder soviético e membro do Politburo e foram acusados de deliberadamente conduzir um tratamento médico inadequado ao seu problema de saúde. Os médicos pagariam por um suposto anticosmopolitismo e antisemitismo de Stalin, fatores que já haviam levado ao processo de Praga. Esse complô seria neutralizado após a morte de Stalin e seus acusados, inocentados.

A “Conspiração dos Médicos” foi, segundo a versão oficial do Estado soviético, um complô de médicos judeus, sob ordens da inteligência estadunidense, que teriam como objetivo assassinar os principais quadros do Partido Comunista da União Soviética, inclusive o próprio Stalin.

“Os médicos do Kremlin”, dizia o artigo, “judeus em sua maioria, assassinaram os maiores líderes soviéticos e têm como próximos alvos vários outros, talvez até mesmo o próprio Stalin”. O editorial, intitulado “Espiões miseráveis e assassinos sob a máscara de doutores”, afirmava que “agentes de segurança do governo desmascararam médicos terroristas que assassinaram figuras públicas soviéticas com tratamentos propositalmente errados”.

Wikicommons

'Conspiração dos Médicos' foi, segundo a versão oficial do Estado soviético, um complô de médicos judeus, sob ordens da inteligência estadunidense

Primeiro filme rodado inteiramente em língua indígena aymara estreia no Peru

Peru: ministro da Cultura se demite em reação ao indulto concedido a Fujimori

Aula Pública Opera Mundi: A escola respeita a cultura afro-brasileira?

 

Conforme relatou o Pravda, o governo descobrira uma "monstruosa conspiração orquestrada por esses médicos". Os acusados seriam membros da “associação burguesa judaica internacional”, como eles chamavam o “Joint” (American Joint Distribution Committee). Segundo o jornal, uma fachada para uma organização sionista de espionagem. O plano era destruir a URSS e arrastar o mundo para uma guerra nuclear.

Ainda segundo o jornal, um deles, o Dr. Vovsi “confessara” ter recebido ordens de “eliminar a liderança da URSS”. Provas documentais, investigações e as confissões dos presos, informava o órgão oficial do governo, haviam comprovado que os criminosos ludibriaram seus pacientes, ministrando-lhes tratamentos inadequados e letais. “Todo o povo russo deve intensificar sua vigilância. Estejam de prontidão em todas as manifestações dos fomentadores da guerra e seus agentes”.

Fim do complô

Depois da morte de Stalin, em março de 1953, os líderes da União Soviética assumiram que o caso foi fabricado com o objetivo de prender e executar líderes comunistas que a ele se opunham. A campanha cessou abruptamente em 1º de março. Ao assumir o poder, Laurenti Béria - que acabaria deposto por um golpe palaciano, liderado por Nikita Kruschev, e fuzilado em dezembro de 1953 - cancelou os julgamentos e libertou os acusados.

No dia 12 de abril, doze semanas após a morte de Stalin, o mesmo Pravda publicou um outro artigo, ressaltando o respeito à lei no país. Sob a manchete, “A inviolabilidade da lei soviético-socialista”, o jornal afirmou que “os médicos tinham sido presos sem nenhuma base legal”, acrescentando ainda que os “investigadores super zelosos se haviam esquecido de que estavam a serviço do povo e que sua missão era salvaguardar a lei soviética”.

Os médicos do Kremlin foram inocentados e todos, com exceção de dois, que, ao que tudo indica, morreram na prisão, foram reconduzidos a seus cargos. Houve uma anistia e introduziram-se modificações no Código Penal.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias