Ligada a conspiradores, "Seleções" exalta participação de civis em golpe de 64

Com 100 milhões de leitores em 13 idiomas, versão brasileira da "Reader´s Digest" deu espaço para Lincoln Gordon negar interferência dos EUA

Na esteira da revista de finanças norte-americana Fortune, outra publicação internacional que também deu grande espaço ao movimento civil-militar que depôs o presidente João Goulart em 1964 foi a Reader’s Digest, publicada em português com o nome Seleções.

No longo artigo "A nação que se salvou a si mesma", a publicação exaltou a prontidão dos conspiradores civis, "defensores da liberdade e da democracia", ao articular o golpe contra o presidente eleito. [clique aqui para ler a íntegra da reportagem original] A revista, contudo, tinha conhecimento de causa, pois a Reader's Digest Publications do Brasil — editora que imprimia a Seleções no país — fazia parte do setor editorial do Ipês (Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais), entidade cujos líderes notoriamente participaram do movimento golpista.

Leia também: 'Fortune' revela já em 64 elo entre empresários de SP e embaixada dos EUA no golpe

Na edição de novembro daquele ano, sete meses após o golpe, a publicação deu grande destaque à reportagem, escrita originalmente em inglês, de Clarence W. Hall, jornalista que “passou algumas semanas no Brasil quando a revolução ainda estava viva na memória de todos”.

O longo e laudatório texto procura recriar o espírito de tensão vivenciado pela “sofrida classe média brasileira”, nas palavras da própria publicação. Para Seleções, os civis, ao verem-se “encurralados”, organizaram-se para “salvar o Brasil”. Assim, foram os industriais, a imprensa e as mulheres do CAMDE (Campanha da Mulher pela Democracia) que, com o empurrão final dos militares, uniram forças para dar o golpe e depor Jango.

Leia também: Castello rompeu com Cuba após perder queda de braço com ministros

A reportagem utiliza como fontes expoentes do setor empresarial, tais quais Glycon de Paiva, Harold Cecil Polland e Paulo Ayres Filho; além de uma liderança do movimento de mulheres que convocou a “Marcha da Família com Deus pela Liberdade”, “Dona” Amélia Molina Bastos.

A revista também dá espaço para o embaixador norte-americano Lincoln Gordon fazer uma previsão, no mínimo, apressada: “Os futuros historiadores é bem possível que registrem a revolução brasileira como a mais decisiva vitória pela liberdade em meados do século XX”. O diplomata dos EUA diz ainda que seu país não interferiu em nada na questão brasileira — “nem um só dólar ou cérebro norte-americano foi empenhado nela!” —, contradizendo contatos supostamente feitos com os revoltosos e, até mesmo, o rigoroso acompanhamento de Washington.


  Clique aqui para ler todas as matérias do especial

No editorial, a revista não faz questão de esconder suas preferências e explicitar sua longa batalha contra "os vermelhos": “Desde o seu primeiro número, um tema constante em Seleções do Reader’s Digest tem sido a ameaça que o comunismo representa para o nosso estilo democrático de vida”.

A Reader’s Digest é uma das revistas mais tradicionais da imprensa ocidental. Fundada em 1922 por De Witt e Lila Wallace, foi, durante muito tempo, o periódico mais vendido nos Estados Unidos. Sua proposta editorial é republicar artigos e reportagens de diversos veículos da grande mídia, bem como produzir os seus próprios. A revista atinge cerca de 70 países, com 49 edições em 21 línguas diferentes. Nos últimos anos, vem sofrendo com a crise econômica que afeta diversos conglomerados de mídia, chegando a declarar, mais de uma vez, falência.

No editorial desta edição brasileira, o alcance mundial da revista é usado como um trunfo para Seleções: “mais de 100 milhões de pessoas do mundo inteiro terão oportunidade de meditar sobre os motivos que levaram os brasileiros à revolução de 30 de março de 1964 [sic]”.

Foto:

Kennedy, Gaspari: jornalismo e história

Militar uruguaio atuante na Operação Condor vive impune no Brasil

Revista Fortune revela já em 64 elo entre empresários de SP e embaixada dos EUA para dar golpe

 

Ipês e Reader’s Digest

Na reportagem, a revista confere relativo destaque à atuação das lideranças do Ipês, instituto fundado em 1961 "oficialmente" para defender a livre iniciativa e a economia de mercado, mas que uniu acadêmicos conservadores, empresários e militares para desestabilizar o governo Jango.

“O Ipês formou seu próprio serviço de informações, uma força-tarefa de investigadores (vários dentro do próprio governo) para reunir, classificar e correlacionar informes sobre a extensão da infiltração vermelha no Brasil”, relata Seleções.

Leia também: JK sabia que elite mineira articulava golpe em 64, diz ex-ministro

A revista devia ter conhecimento de causa, pois a Reader’s Digest Publications do Brasil fazia parte, sob a figura do diretor da revista, Tito Leite, do setor editorial do Ipês. Conforme esquadrinhado por René Armand Dreifuss em seu 1964: a conquista do Estado, o Grupo de Publicações/Editorial da entidade era composto por figuras de peso como o general Golbery do Couto e Silva e os escritores José Rubem Fonseca, Augusto Frederico Schmidt e Raquel de Queiroz.

Além da Reader’s Digest, outras editoras e publicações que contribuíam com seus serviços para o Ipês eram: Agir, de Cândido Guinle de Paula Machado; O Cruzeiro, de Assis Chateaubriand; a gigantesca Artes Gráficas Gomes de Souza S.A., Gilberto Huber Júnior (Listas Telefônicas Brasileiras); e a Editora Saraiva, através de Adib Casseb e Paulo Edmur de Souza Queiroz.

* Colaborou Rodolfo Machado

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Meu primeiro festival pornô

No PopPorn, festival de pornografia alternativa que acontece todos os anos em São Paulo desde 2010, repórter aprende sobre shibari e BSDM, acompanha performances sexuais e aprende como fazer seu próprio pornô