'Não há causa, não há delito, não há motivo para prisão', diz Cristina Kirchner

Ex-presidente argentina afirmou que processo é ‘absurdo’ e que viola ‘o estado de direito’; juiz federal determinou quebra da imunidade parlamentar e prisão preventiva de Kirchner

Redação

0

Todos os posts do autor

A ex-presidente da Argentina e atual senadora, Cristina Kirchner, se pronunciou nesta quinta-feira (07/12) sobre o pedido de quebra de imunidade parlamentar e prisão preventiva feitos pelo juiz federal Claudio Bonadio. Segundo ela, "não há motivo para prisão". 

“Tudo isso que está acontecendo é um despropósito. Um verdadeiro excesso. Estas medidas não só violam o estado de direito como buscam provocar danos pessoas e políticos aos opositores, às suas trajetórias. Isto não tem nada a ver com a justiça e com a democracia”, afirmou Kirchner, que considerou o pedido de prisão “um absurdo”.

Bonadio pediu a prisão da ex-mandatária por "traição à pátria" e "encobrimento agravado" por conta de um memorando assinado por ela, quando era presidente, e o governo do Irã. Esse acordo, segundo a acusação, tinha o objetivo de encobrir uma eventual participação de Teerã no atentado à sede da Associação Mutual Israelita Argentina (Amia) em 1994, que deixou 85 motos. 

Foto: Presidência da Argentina / Fotos Públicas

Ex-presidente argentina afirmou que processo é "absurdo" e que viola "o estado de direito"

Eu apoio Opera Mundi

Eu apoio Opera Mundi

Eu apoio Opera Mundi

Kirchner afirmou que “não há causa, não há delito, não há motivo” para o pedido de prisão e que “Bonadio sabe, o governo sabe e o presidente da nação sabe”. Disse também que a assinatura do memorando “se tratava de um ato de política exterior”, e que recebeu tratamento e aprovação do Parlamento argentino.

Sobre a acusação de traição, Kichner afirmou que o juíz sustenta a ideia de que o atentado à sede da Amia foi um ato de guerra, e não um atentado terrorista. Para ela, “esta foi a única maneira que [Bonadio] encontrou em seu mundo jurídico muito particular” para justificar a acusação de traição à pátria.  

Senado

Segundo o jornal Clarín, é improvável que o Senado autorize a detenção de Cristina – e mesmo que qualquer decisão seja tomada em prazo curto, já que a Casa está em recesso e há trâmites a serem cumpridos antes de uma eventual votação. De acordo com o jornal, o assunto só conseguiria ser discutido no Legislativo em março de 2018.

Além disso, para que a prisão seja aprovada, são necessários 48 votos. O peronismo, diz o Clarín, tem 33 votos no Senado, deixando a oposição com 39 – insuficiente para que o pedido prospere.


 

Comentários