Hoje na História: 1721 - Nasce Madame de Pompadour, uma das pessoas mais influentes da corte de Luís XV

A Marquesa reuniria em seu círculo de amizades as principais autoridades da época e interferiria até mesmo na política externa
Max Altman (1937-2016), advogado e jornalista, foi titular da coluna Hoje na História da fundação do site, em 2008, até o final de 2014, tendo escrito a maior parte dos textos publicados na seção. Entre 2014 e 2016, escreveu séries especiais e manteve o blog Sueltos em Opera Mundi.

Madame de Pompadour, nascida Jeanne Antoinette d’Etiolles Poisson, em 29 de dezembro de 1721, em Paris, foi uma das mulheres mais extraordinárias, cultas e influentes do século XVIII. Inteligente, encantadora, bela, mas, ao mesmo tempo, calculista, via seu papel como o de uma secretária confidencial do Rei Luís XV.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Jeanne ingressa em 1726 num convento das Ursulinas para começar seus estudos. Aprende canto, dança, teatro, desenho, gravura e literatura. Em 7 de março de 1741 casa-se com Charles le Normant D’Etiolles, filho do tesoureiro da Moeda e sobrinho do general Charles-François le Normant.

Wikicommons
Em 26 de dezembro de 1741, nasce seu primeiro filho, que viveria apenas poucos meses. Vive uma parte do ano no castelo de Etiolles, perto da floresta onde o rei costumava caçar. Em 25 de fevereiro de 1745, o rei e a futura marquesa se encontram num baile de máscaras organizado por ocasião do casamento do delfim. Luis XV estava fantasiado de ‘arbusto’, semelhante àqueles que cresciam em Versalhes e ela, como ‘pastora’.

Convidada uma outra vez pelo rei, deixa-se seduzir. Recebe o título de marquesa e abandona Etiolles para residir no Palácio das Tulherias. Seu marido é separado de corpos e bens e proibido de se apresentar diante do rei. Jeanne Antoinette é apresentada oficialmente à corte de Versalhes em 14 de setembro de 1745.

Madame de Pompadour governava Versalhes, concedia audiências a embaixadores e tomava decisões sobre todas as questões ligadas à concessão de favores de forma tão absoluta quanto qualquer monarca. Influenciando politicamente as decisões reais, ela se tornou uma empreendedora, incentivando a fundação da fábrica de porcelanas de Sevres.

Leia mais fatos marcantes da data:

Hoje na História - 1890: Exército norte-americano massacra os índios Sioux em Wounded Knee
Hoje na História: 1937 - Irlanda promulga constituição republicana

Começou a dedicar-se à política e a colocar amigos no poder. O Duque de Choiseul, um competente governante, era seu amigo. Contudo, a opinião pública ficava irritada por ver uma amante dedicar-se à grande política. Foi acusada de ser a responsável pela inversão das alianças tradicionais, ao aliar-se à Áustria e entrar em guerra com a Prússia de Frederico, o Grande.

Mulher de bom gosto, envolve-se com personagens importantes das finanças e da política, e passa a exercer um verdadeiro mecenato. Acolhe escritores no mezanino de seu médico, reconcilia Voltaire com o rei, que lhe confere o título de historiógrafo e fidalgo da câmara real. Os artistas multiplicam seus retratos: Latour, Nattier, Van Loo, dentre outros.

Em 1753, por volta do Natal, a marquesa adquire o Hôtel d’Evreux, conhecido atualmente por Palácio do Eliseu, sede do governo francês. Ela herdaria essa propriedade de Luis XV.

Wikicommons

Hoje na História: 1975 - Morre o ditador espanhol Francisco Franco

Hoje na História: 1931 - Parlamento britânico aprova criação do Commonwealth

Hoje na História - 1737: Morre Antonio Stradivarius, fabricante de violinos

 

Madame de Pompadour tinha 42 anos no mês de fevereiro de 1764. Não gozava de boa saúde e tinha frequentes problemas cardíacos. Em 29 de fevereiro, os médicos diagnosticam pneumonia. Em 10 de março seu caso é considerado perdido. Em 24 de março, após breve melhora, retorna a Versalhes. Na noite de 7 de abril tem recaída e mal consegue respirar.

Em 14 de abril, Madame de Pompadour manda anexar um codicilo ao testamento que ela tinha redigido sete anos antes. Dá adeus ao rei e o padre de La Madeleine lhe presta a extrema-unção. No dia seguinte, pela manhã, reúne forças para receber seu irmão, Abel Poisson, marquês de Marigny, legatário universal de sua imensa fortuna. Às 19h30 desse mesmo dia, falece.



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Antes de fevereiro

A profundidade da crise social, econômica e militar na Rússia, somada à consciência política e organização da classe trabalhadora, estavam muito à frente de qualquer outro lugar do mundo no inverno de 1916-1917

 

Mais Lidas