Hoje na História: 1859 - Big Ben entra em funcionamento em Londres

Nome 'Big Ben' originalmente designava apenas sino, porém mais tarde passou a se referir a todo o relógio, que tem 98 metros de altura

Atualizado em 30/05/2016 às 20h44

O célebre relógio da Torre Santo Estevão da Parliament House, de 98 metros de altura, perto da Abadia de Westminster em Londres, entra em serviço no dia 31 de maio de 1859. Ele é composto de quatro mostradores de 7 metros de diâmetro e de um sino pesando 13,5 toneladas. O sino é chamado de Big Ben como uma espécie de homenagem a Benjamin Hall, o primeiro comissário de trabalhos públicos londrinos, de exagerada corpulência. Todo ano ele é regulado, pondo-se uma moeda de um penny sobre o mecanismo se o relógio avança ou a retirando se atrasa.

Funcionários limpam o relógio do Big Ben em 2007Após um incêndio que destruiu boa parte do Palácio de Westminster – sede do Parlamento britânico – em outubro de 1834, um aspecto relevante do projeto do novo palácio era um grande relógio no alto de uma torre. O astrônomo real, Sir George Airy, queria que o relógio tivesse uma precisão extrema, inclusive com conferência duas vezes ao dia com o Observatório Real de Greenwich. Enquanto muitos relojoeiros consideravam que essa meta era impossível, Airy contava com a ajuda de Edmund Beckett Denison, um conceituado advogado conhecido por sua expertise em relojoaria ou na ciência da medição do tempo.

O projeto de Denison, construído pela companhia E.J. Dent & Co., foi finalizado em 1854. Cinco anos mais tarde, a própria torre Santo Estevão foi concluída. Pesando mais de 13 toneladas, seu enorme sino foi carregado pelas ruas de Londres até o pé da torre por uma tropa de 16 cavalos, sob aclamação de espectadores que ali se postavam. Uma vez instalado, o Big Ben dobrou a primeira badalada em 31 de maio de 1859. Exatos dois meses depois, no entanto, o pesado badalo desenhado por Denison rachou o sino. Três anos mais se passaram antes que um badalo mais leve fosse acoplado e o relógio pudesse funcionar normalmente como previsto. O sino foi girado sobre seu próprio eixo de modo que o badalo batesse em outra área. A rachadura em si jamais foi reparada.

Ex-prefeito de Londres vence concurso de 'poema mais ofensivo' contra presidente da Turquia

Justiça sueca nega pedido de defesa de Julian Assange e mantém ordem de detenção

Parlamentares britânicos condenam afastamento de Dilma: 'insulto à democracia'

 

O nome "Big Ben" originalmente designava apenas o sino, porém mais tarde passou a se referir a todo o relógio. Existem duas histórias principais a respeito de como se adotou o nome de Big Ben. Muitos afirmam que a denominação de se deve ao loquaz Benjamin Hall, o popular comissário de obras públicas de Londres à época da construção. Outra história famosa conta que o nome do sino se devia ao famoso pugilista peso-pesado Benjamin Caunt, porque era o maior dos sinos daqueles tempos.

Hernán Piñera/FlickrCC

Nome "Big Ben" originalmente designava apenas o sino, posteriormente passou a se referir a todo o relógio


Mesmo depois que uma bomba incendiária destruiu o plenário da Câmara dos Comuns durante a Segunda Guerra Mundial, a torre de Santo Estevão resistiu e o Big Ben continuou a funcionar normalmente. Sua famosa precisão cronométrica é regulada por uma pilha de moedas colocadas no imenso pêndulo do relógio, garantindo um movimento constante e regular dos ponteiros do relógio o tempo todo.

À noite, as quatro faces do relógio, cada qual com 7 metros de diâmetro, são iluminadas. Para conhecimento público, uma luz sobre o Big Ben também permanece acesa quando o Parlamento está em sessão.

Também nesta data:
 1793 - Liderada por Robespierre, insurreição se levanta contra girondinos
1809 - Morre o compositor austríaco Franz Joseph Haydn
1957 - Dramaturgo norte-americano Arthur Miller é acusado de desacato ao congresso
1962 - Israel executa Adolf Eichmann

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias