Ahmadinejad defende o direito à energia nuclear e se diz vítima de ataque midiático

Em entrevista coletiva no Rio de Janeiro, iraniano afirmou que pretende aprofundar acordos com o Brasil em diversas áreas

Sem poupar críticas aos Estados Unidos e às “nações dominadoras do Ocidente”, o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, afirmou que a questão nuclear é um dos maiores “sinais de injustiça” da ordem mundial, no que classificou de uma “guerra midiática” que o país persa tem sofrido.

Wikicommons

Ao contrário do breve discurso no primeiro dia da Conferência das Nações Unidades para o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, com a presença dos chefes de Estado, o presidente concedeu na última quinta-feira (22/06) uma longa entrevista coletiva a um grupo seleto de jornalistas no hotel onde está hospedado, no Rio de Janeiro. O iraniano contava com forte esquema de segurança, realizado por agentes vindos de Teerã para acompanhar a visita oficial ao Brasil.

Sem lançar polêmica, Ahmadinejad respondeu a questões sobre cooperação com o Brasil e países da América Latina e reforçou suas críticas aos países ricos detentores de armas nucleares definindo-os como agressivos, colonialistas e que querem impedir o desenvolvimento do Irã.

“Já assinamos o tratado de não proliferação [de armas nucleares] e estabelecemos mais cooperação com a AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica). Mas por que tantas pressões? Sempre anunciamos que não queremos ter e nem fabricar bombas atômicas. Não existe nenhum sinal de desvio do nosso programa nuclear. Será que o problema é mesmo só a bomba atômica?”, enfatizou.

Segundo o chefe de Estado, a energia nuclear deve ser acessível a todas as nações. “A questão nuclear é um dos sinais de injustiça que vemos nessa ordem atual. Mas nós acreditamos que ninguém deve possuir armamentos nucleares. Este é um instrumento para impor a opressão. Eles pensam que as armas devem estar nas mãos deles”, declarou, referindo-se aos Estados Unidos e aos países ocidentais.

Fukushima, zona fantasma: fotógrafo revela rastro de destruição causado por usina nuclear

Grupo 5+1 e Irã começam em Moscou nova rodada de consultas

Jogador de futebol palestino consegue liberdade e encerra greve de fome de 92 dias

 

“Qual é o problema? Para nós é bem claro que eles não querem o desenvolvimento e o progresso iraniano, um país que está fora do alcance e da dominação deles, e que quer crescer. Eles não querem permitir isso”, argumentou.

Ao ser questionado sobre o encontro que terminou sem acordo, na última terça-feira (19/06), em Moscou, entre o Irã e seis potências mundiais – Estados Unidos, China, Rússia, França, Grã-Bretanha e Alemanha – que defendiam o abandono do enriquecimento de urânio a fim de encerrar o impasse envolvendo o programa nuclear iraniano, Ahmadinejad avaliou a reunião como um “pretexto para aproveitar a dominação”.

“Estão contra o progresso do Irã e não podem expressar isso publicamente, é um pretexto e estão se aproveitando da sua dominação. Eles devem ceder ou desistir. Em vez de conflitos, podemos estabelecer cooperações, mas eles não querem isso. Querem parar o nosso caminho do progresso”, afirmou.

Segundo ele, os países desenvolvidos querem “impor regulamentos” fora da gestão da AIEA. O fracasso das negociações em Moscou ainda coloca em alerta a comunidade internacional, pois Israel já lançou ameaças de bombardear instalações nucleares iranianas.

As potências ocidentais suspeitam que o Irã esteja desenvolvendo armas nucleares em sigilo e pretendem encerrar o programa de enriquecimento de urânio do país asiático. Contudo, Ahmadinejad insiste que são pacíficas as suas políticas de energia nuclear.

O chefe de Estado ressaltou ainda que a imprensa ocidental tem publicado mentiras e feito propagandas negativas contra o Irã no que classificou como uma guerra midiática que está em curso. “Enquanto eles falam da liberdade de informação, por outro lado, estão nos ameaçando através das bombas. É a continuação desse sistema de colonização que existia no passado”, acusou.

Para o dirigente, o Irã representa um modelo de progresso sem dar demonstrações de colonialismo. “Os relatos que fazem do Irã mostram nosso país como atrasado, que vive na miséria e que a maior parte do nosso território é deserto. Como o pensamento deles é materialista, acham que com as barreiras econômicas podem atingir seu objetivo, estão errados. Hoje o Irã é um país desenvolvido, com a nossa capacidade, conseguimos nos fazer presentes na área de tecnologia e somos pioneiros em biotecnologia. O país também se desenvolveu no campo industrial”, acrescentou. Entretanto, o líder iraniano criticou o “olhar absolutista da mídia”.

Ahmadinejad começou, na última semana, uma viagem por três países latino-americanos: Bolívia, Brasil e Venezuela. Na Rio+20, o presidente do Irã tentou sair do isolamento e foi em busca de aliados, defendendo cooperações internacionais com os países da região que chamou de “amigos”.

No Rio de Janeiro, o iraniano tentou agendar um encontrou bilateral com a presidente Dilma Rousseff, mas esta teria rejeitado o pedido de audiência oficial durante o evento da ONU. Apesar de não mencionar este fato, que pode ter deixado desconcertada a delegação iraniana, Ahmadinejad destacou o interesse do país em traçar acordos de cooperação com o Brasil e não deixou de citar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Ele defendeu o papel do Brasil para ajudar a mediar o impasse que existe acerca do programa nuclear iraniano: “O papel do Brasil nessa questão é importante, a Declaração de Teerã com a participação do ex-presidente do Brasil e o ex- primeiro ministro da Turquia é um documento importante e demonstra que o povo iraniano está dentro das legitimidades”.Teerã pretende ainda aprofundar acordos na área financeira, científica e nos meios de comunicação, anunciou.

Leia Mais

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

'Fatos alternativos' é a 'despalavra' de 2017

Termo estimula substituição de argumentos factuais por afirmações não comprovadas para manipular debate público, diz júri; iniciativa quer chamar atenção para palavras que ferem dignidade humana ou democracia

 

Sob a fumaça, a dependência

Não são apenas os fumantes que estão atrelados a um hábito do qual é difícil se livrar; o Brasil, líder global na exportação de tabaco, oculta sob os dados econômicos um quadro social de efeitos devastadores

 

Cientistas descobrem o que dizimou astecas

Após cinco séculos de mistério, equipe internacional de pesquisadores detecta bactéria, levada por europeus, que teria sido responsável pela morte de 15 milhões de pessoas em apenas cinco anos