Paul McCartney cobrou apenas uma libra por apresentação na abertura dos Jogos Olímpicos

Cantor britânico não queria receber pela participação na cerimônia; organizadores estabeleceram valor por questões contratuais

Fillipe Mauro

 

Assim como Mike Oldfield, Dizzee Rascal, Emeli Sande e Arctic Monkeys, o cantor inglês Paul McCartney cobrou do governo britânico apenas uma libra (o equivalente a três reais) para interpretar os clássicos Hey Jude e The End na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Londres na última sexta-feira (27/07).

Reprodução/Facebook

O cantor britânico após apresentação na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos.

Em um primeiro momento, as bandas e cantores concordaram em não cobrar pelos shows. Entretanto, o LOCOG (Comitê dos Jogos Olímpicos de Londres, na sigla em inglês) esclareceu que o valor de uma libra foi necessário por conta de burocracias contratuais, segundo foi divulgado pelo jornal inglês The Sun.

 

O mesmo ocorreu com a maioria de atores, dançarinos e figurantes, que se voluntariou para dar vida às performances da cerimônia. A quantia cobrada por McCartney não equivale nem a 0,05% das 2.012 libras desembolsadas por cada espectador que adquiriu o ingresso mais barato da cerimônia de abertura.

O evento foi organizado por Danny Boyle, mesmo produtor do premiado longa metragem “Quem quer ser um milionário”. Além de Paul McCartney, o repertório musical do evento contou com outros nomes célebres da música britânica, como os Arctic Monkeys e o rapper Dizzee Rascal. Também houve a presença do ator Daniel Craig interpretando James Bond e do humorista Rowan Atkinson, como o famoso Mr. Bean.

Comentários