Prefiro estar morto em um vala a pedir outro adiamento do Brexit, diz premiê do Reino Unido

Falas de Boris Johnson vem após duas derrotas no Parlamento, quando a Casa bloqueou um Brexit sem acordo e rejeitou eleições gerais

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson afirmou nesta quinta-feira (05/09) que prefere "estar morto em uma vala" a concordar com uma nova prorrogação do prazo para a saída do país da União Europeia (UE).

Em entrevista coletiva, o premiê foi questionado se poderia prometer não ir a Bruxelas e retornar com mais uma extensão do prazo para o Brexit. "Sim, eu posso. Preferiria estar morto em uma vala [a fazer isso]", disse Johnson.

As falas do conservador vem após duas derrotas no Parlamento nesta quarta-feira (04/09) quando a Casa aprovou uma emenda que proíbe um Brexit sem acordo e, em seguida, rejeitou a proposta de eleições gerais.

"Eu não quero uma eleição de forma nenhuma. Mas, francamente, não consigo ver nenhuma outra maneira. Eu acho que existe um grande contraste entre minha abordagem e [...] a abordagem de Jeremy Corbyn e do partido trabalhista. Eu acho que ele é o primeiro político da oposição que não quer uma eleição", disse o premiê.

Mais cedo, o deputado britânico Jo Johnson, irmão do primeiro-ministro, anunciou sua renúncia aos cargos de ministro para as Universidades e a Ciência e parlamentar alegando incompatibilidade entre "lealdade à família e o interesse nacional". 

Reprodução
Falas de Boris Johnson vem após duas derrotas no Parlamento, quando a Casa bloqueou um Brexit sem acordo e rejeitou eleições gerais

"Nas últimas semanas, fiquei dividido entre a lealdade à família e o interesse nacional - é uma tensão insolúvel e está na hora de outras pessoas assumirem minhas funções como membro do Parlamento e ministro", escreveu o parlamentar no Twitter.

Jo Johnson, de 47 anos, é deputado desde 2010 pelo distrito de Orpington, em Kent, no sudeste da Inglaterra, e trabalhou nos governos de David Cameron e Theresa May. No entanto, também pediu demissão na liderança da conservadora por divergências com a política sobre o Brexit.

Comentários

Leia Também