Wikileaks: em troca de abrigo a presos de Guantánamo, EUA ofereceram visita de Obama e dinheiro

Wikileaks: em troca de abrigo a presos de Guantánamo, EUA ofereceram visita de Obama e dinheiro

Marina Terra

Receba alguns presos acusados de terrorismo e em troca, ganhe a chance de recepcionar o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama ou ajuda em dinheiro. Era essa a oferta feita pelo Departamento de Estados norte-americano a países como Kiribati e Eslovênia, conforme mostrou a organização Wikileaks, em vazamento promovido neste domingo (28/11).

Em um dos telegramas, o governo da Eslovênia era avisado que, caso quisesse uma visita de Obama, deveria abrigar ao menos um prisioneiro detido na prisão de Guantánamo, em Cuba. Já a ilha de Kiribati, no Pacífico, foi avisada que receberia "milhares de dólares" se recebesse presos chineses acusados de promover práticas terroristas.

Em outro caso, o fato de aceitar mais prisioneiros era apontado como uma forma "barata" para a Bélgica adquirir "projeção" na Europa, afirma um dos "cabos" revelados pelo Wikileaks.

Leia mais:
Justiça da Suécia confirma ordem de prisão para fundador de Wikileaks
Análise: Uma guerra ao Wikileaks?
Justiça sueca retira ordem de prisão contra fundador do Wikileaks
ESPECIAL: Escândalo do Wikileaks reativa debate sobre a guerra no Iraque
Eleição legislativa nos EUA pode mudar os rumos da política no país
Documentos dos EUA revelam mortes de civis e missões secretas no Afeganistão
Wikileaks: Militares dos EUA mataram 680 civis iraquianos em postos de controle 

Google

Os documentos revelam preocupação sobre o suposto uso em grande escala, pelo governo chinês, de técnicas de infiltração e sabotagem cibernética. Alguns dos cabos diplomáticos afirmam que uma rede de hackers e especialistas em segurança foram contratados pela China a partir de 2002, e que essa rede conseguiu acesso a computadores do governo e de empresas dos EUA, além de aliados ocidentais e do Dalai Lama.

Os cabos citam um contato chinês que disse à embaixada dos EUA em Pequim que o governo chinês estaria por trás da infiltração do sistema de computadores do Google no país em janeiro.


Siga o Opera Mundi no Twitter  
Conheça nossa página no Facebook 
 

Comentários