Livro descreve como empresas alemãs usaram repressão e corrupção para atuar no Brasil; veja vídeo

Autor do livro "Empresas alemãs no Brasil: o 7X1 na economia", Christian Russau lembra, por exemplo, que a empresa de automóveis Volkswagen forneceu informações sobre trabalhadores para o Dops (Departamento de Ordem Política e Social)

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

"Como a Volkswagen era na época da ditadura militar uma das maiores empresas da América Latina, tinha a condição logística e financeira de vigiar os seus trabalhadores e também trabalhadores de outras empresas do Brasil". A afirmação é do jornalista alemão Christian Russau, autor do livro "Empresas alemãs no Brasil: o 7X1 na economia", que, em entrevista a Opera Mundi, conta como fez sua pesquisa sobre as empresas alemãs no Brasil e como elas usaram artifícios como a corrupção e a colaboração com a repressão para atuar no país.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Russau lembra que a empresa de automóveis alemã Volkswagen forneceu informações sobre trabalhadores para o Dops (Departamento de Ordem Política e Social), órgão de repressão da ditadura militar no Brasil. Essas informações, diz, eram passadas aos agentes do governo em chamadas "listas sujas". "No Arquivo Público de São Paulo e no de outros Estados foram achados documentos com carimbos da Volkswagen contendo informações sobre trabalhadores”, diz. A Volkswagen nomeou um historiador, Christopher Kopper, que confirmou a colaboração da empresa com a ditadura em julho deste ano. “Eu posso dizer que havia uma colaboração regular entre o departamento de segurança da VW do Brasil e os órgãos policiais do regime”, afirmou Kopper, e citou que a Volkswagen “autorizou prisões” dentro do complexo.

 

Leia outras reportagens de  Opera Mundi sobre o caso:

Ditadura militar: Volkswagen demite historiador e agora diz que investigará arquivos na Alemanha
Volkswagen diz que esclarecerá eventuais suspeitas sobre violação de direitos humanos durante ditadura
CNV: Sistema da Volkswagen para vigiar funcionários na ditadura foi criado por criminoso nazista
Ministério Público busca elucidar participação da Volkswagen na ditadura militar no Brasil
‘Depoimento da Volks foi vazio’, diz presidente da Comissão da Verdade de SP após audiência
Citada na CNV, dona da Mercedes é questionada por acionistas sobre elo com ditadura brasileira; empresa nega
Relatório da CNV: sócios alemães pedem que Siemens explique envolvimento com ditadura brasileira

Veja a entrevista, em vídeo:

 

Serviço

Empresas alemãs no Brasil: o 7×1 na economia
Autor: Christian Russau
Tradução: Daniel Martineschen & Kristina Michahelles
Editoras: Autonomia Literária & Elefante



Reprodução

Volkswagen era uma das empresas que mantinha relações próximas com a ditadura no Brasil

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias