'É a primeira vez que sou impedido de cantar no período democrático', diz Caetano Veloso

Cantor lamentou proibição de show na ocupação do MTST: 'Dá a impressão que não é um ambiente propriamente democrático'; Boulos diz que resposta virá nesta 3ª, com marcha até o Palácio dos Bandeirantes

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O cantor e compositor Caetano Veloso deixou a Ocupação Povo Sem Medo, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, às 20h45 desta segunda-feira (30), sem conseguir realizar o show anunciado pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST). O motivo foi decisão da juíza Ida Inês Del Cid, da 2ª Vara da Fazenda Pública de São Bernardo.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Dizendo não ser "técnico" em questões legais, Caetano afirmou se sentir mal com a proibição. “Dá a impressão de que não é um ambiente propriamente democrático”, declarou o compositor ao sair da ocupação. “É a primeira vez que sou impedido de cantar no período democrático”, disse ainda. Para o cantor, "uma área urbana não pode ficar sem função social". 

Para o coordenador do MTST, Guilherme Boulos, a Justiça deveria se preocupar em “pegar a quadrilha que está no poder no Brasil", em vez de proibir uma apresentação musical. “Hoje aqui em São Bernardo mais uma vez a Constituição brasileira foi rasgada. É um absurdo, é censura, é ilegal. Para muita gente dentro do Judiciário o preconceito vale mais do que a lei. Se eles queriam nos provocar para uma ação violenta não conseguiram. Isso nos dá energia, nos dá ânimo”, afirmou, acrescentando que a "resposta" do movimento será dada nesta terça (31/10), com marcha logo cedo até o Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo, sede do governo estadual. "Uma das maiores marchas dos últimos anos", adiantou.

Boulos também criticou o prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), que segundo o coordenador do MTST apostou no conflito. “Eu não sei o que ele tem na cabeça. Ele age com ranço, com preconceito.” Ele questionou a alegação de falta de segurança. Com 8.000 famílias, segundo o movimento, a ocupação começou há quase dois meses, sem registro de incidentes. 

Com a proibição judicial, os artistas que foram à ocupação participaram de um ato em um pequeno palanque, em uma área mais elevada, perto do barraco da coordenação. Passaram o dia no local as atrizes Sônia Braga, Letícia Sabatella, e Alinne Moraes, além da cineasta e apresentadora Marina Person. Elas também foram à prefeitura e ao Ministério Público tentar a liberação do show.

"A luta de vocês é completamente legítima. E ela tem de continuar", disse Marina. "Vocês são exemplo para nós", afirmou Letícia, falando em "esperança, alegria, riqueza, cultura". "Muito obrigado por nos ensinarem."

Bancada progressista do Parlasul manifesta repúdio a prisão de Guilherme Boulos em São Paulo

Guilherme Boulos: o psicanalista das massas

E o que Caetano pensa sobre 'Caetano estaciona carro no Leblon'?

 

Roberto Parizotti / CUT

Caetano Veloso foi impedido de cantar em São Bernardo do Campo por decisão judicial

"Amanhã, amanhã"

Acompanhado da produtora Paula Lavigne, sua mulher, e do cantor Criolo, Caetano chegou mais tarde, 20 minutos antes das 19h, horário marcado para o show que acabou não acontecendo. Naquele momento, havia ainda expectativa de que a apresentação fosse realizada. Por volta de 19h15, o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL-RJ) saiu para conversar com jornalistas e informou que a liminar seria respeitada. Mas criticou: "As pessoas que tomaram essa decisão sequer tiveram a preocupação de olhar o lugar". Ele disse estranhar também que a imprensa soubesse da proibição antes dos organizadores.

Minutos depois, Boulos, Caetano e artistas subiam alguns metros em direção ao palanque. Ao microfone, o coordenador do MTST confirmou, então, que não haveria mais show. "Talvez com isso eles pretendessem que a gente reagisse no mesmo nível e fosse para a agressão com a Guarda Civil ali na frente", afirmou, criticando a prefeitura, o Judiciário e o Ministério Público. O público começou a gritar "Amanhã, amanhã". Boulos passou a palavra a Paula Lavigne, que pediu desculpas pelo cancelamento e usou tom conciliador.

"Não estamos aqui para fazer guerra, estamos aqui em missão de paz. A única coisa que eu prometo é que a gente vai fazer esse show", garantiu. "Estamos aqui, estamos juntos", prosseguiu Caetano. "Eu já entendi que esta força aqui é o que nos move e nos vai fazer continuar a lutar", disse Alinne, enquanto a multidão cantava "pisa ligeiro, pisa ligeiro, quem não pode com a formiga não atiça o formigueiro".

O ato terminou por volta de 20h, com gritos de "Fora Temer" e "Fora Orlando". Sobre o ato desta terça-feira (31/10), que sairá de São Bernardo às 6h, Boulos disse que o objetivo é cobrar do governo a desapropriação da área em São Bernardo, entre outros compromissos. Da mesma forma, ele espera resultados na reunião marcada para 11 de dezembro, para discutir a ocupação. "Esperamos que quem for chamado para aquela mesa vá com propostas."


Outras Notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Mulheres começam a dirigir na Arábia Saudita

Abertura é reflexo de uma mobilização de quase três décadas em defesa dos direitos das mulheres sauditas; as primeiras campanhas pelo direito a dirigir ocorreram nos anos 1990