Para superar crise, Islândia aposta em turismo e vê atividade virar principal setor da economia

País foi primeira vítima da crise financeira após a quebra do Lehman Brothers, em 2008; problema, agora, é que atividade turística impacta mercado imobiliário

Até 2008, quando se pensava na Islândia, pensava-se em frio, na cantora Björk (nascida no país) e em excelente qualidade de vida. Com a queda do banco Lehman Brothers, esta remota ilha ficou famosa por ser a primeira grave vítima da crise financeira. Mesmo com um resgate do FMI, o governo não seguiu a linha de extrema austeridade da Grécia e Portugal e, enquanto tomava medidas incomuns –como apoiar a reescrita da Constituição–, desvalorizou a moeda e apostou no turismo para impulsionar a economia. Hoje, o setor é o número um da economia, e a ilha, um dos mais exóticos destinos mundiais do ecoturismo.

Christine Zenino/Flickr

Vista da capital da Islândia, Reykjavík

A Islândia deve receber este ano perto de um milhão de turistas, que pagam (caro) para conhecer de perto paisagens de ficção científica: gêisers, vulcões, cachoeiras, rios glaciais, montanhas, piscinas geotérmicas, campos de lava, aurora boreal. O número de viajantes internacionais supera em três vezes o de habitantes da ilha, e é o dobro em relação a antes da crise.

Leia mais: Clima, erupções vulcânicas e piscinas naturais são atrativos da Islândia

“Vimos que o turismo poderia rapidamente nos ajudar a tirar as pessoas do desemprego, e isso aconteceu”, disse a Opera Mundi Dagur Eggertsson, prefeito da capital Reykjavík e ex-dirigente do partido social-democrata que assumiu o poder em 2009 – atualmente, o partido está na oposição. O turismo superou as indústrias pesqueira e de alumínio, até então maiores fontes de riqueza do país.

Marana Borges/Opera Mundi

Para Dagur Eggertsson, prefeito de Reykjavík, turismo foi visto como oportunidade para tirar pessoas do desemprego

Quem deu o empurrão que faltava para esse boom foi o impronunciável vulcão Eyjafjallajökull, cuja fumaça paralisou o espaço aéreo em 2010. Preocupados com o impacto negativo das notícias, mas aproveitando os holofotes mundiais, governo e setor privado reagiram com uma contracampanha.

Economia dos EUA se recupera e registra maior crescimento desde fim da crise

Juiz norte-americano declara Argentina em desacato por não pagar ‘fundos abutres’

Produção colaborativa viabiliza projetos culturais e científicos de baixo orçamento

 

Localizada entre dois continentes, a Islândia atrai turistas especialmente dos Estados Unidos e do norte da Europa. Estratégias agressivas de companhias aéreas – como escalas de sete dias no país sem custo adicional na passagem, além da abertura de voos de baixo custo – diversificaram a origem dos viajantes, trazendo mais asiáticos e espanhóis.

O problema imobiliário

O repentino crescimento do turismo trouxe, contudo, alguns inconvenientes. O mais notável é a pressão sobre o setor imobiliário, incluindo o crescimento do mercado paralelo de alojamentos. Sem poder arcar com um aumento nos aluguéis entre 30% e 45% nos últimos três anos, os moradores da capital têm sido empurrados cada vez mais para a periferia –deixando o charmoso centro livre para os estrangeiros, especialmente na alta temporada.

Patrick Nouhailler/Flickr

Mapa da cidade no centro de Reykjavík; turismo se tornou principal atividade econômica do país

“Os proprietários estão forçando os inquilinos com duas opções: ou esvaziam a casa durante o verão e depois retornam, ou devolvem o imóvel”, revela Jóhann Sigurbjörnsson, presidente da Associação dos Locatários da Islândia. A reportagem ouviu relatos de pessoas em condições similares. É o caso de Manuel Pita, que trocou o sul da Espanha pela Islândia em busca de emprego. “Pago um aluguel caro, e ainda tenho de procurar outro lugar no verão”, diz

Segundo o prefeito Eggertsson, uma solução eficaz e econômica é construir residências estudantis que funcionem como alojamento para turistas durante as férias de verão, ou mesmo usar edifícios de particulares para esse fim. “Gosto da ideia de partilhar, e isso vai desde a moradia até o transporte”, afirma.

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

'Fatos alternativos' é a 'despalavra' de 2017

Termo estimula substituição de argumentos factuais por afirmações não comprovadas para manipular debate público, diz júri; iniciativa quer chamar atenção para palavras que ferem dignidade humana ou democracia

 

Sob a fumaça, a dependência

Não são apenas os fumantes que estão atrelados a um hábito do qual é difícil se livrar; o Brasil, líder global na exportação de tabaco, oculta sob os dados econômicos um quadro social de efeitos devastadores

 

Cientistas descobrem o que dizimou astecas

Após cinco séculos de mistério, equipe internacional de pesquisadores detecta bactéria, levada por europeus, que teria sido responsável pela morte de 15 milhões de pessoas em apenas cinco anos