Para superar crise, Islândia aposta em turismo e vê atividade virar principal setor da economia

País foi primeira vítima da crise financeira após a quebra do Lehman Brothers, em 2008; problema, agora, é que atividade turística impacta mercado imobiliário

Até 2008, quando se pensava na Islândia, pensava-se em frio, na cantora Björk (nascida no país) e em excelente qualidade de vida. Com a queda do banco Lehman Brothers, esta remota ilha ficou famosa por ser a primeira grave vítima da crise financeira. Mesmo com um resgate do FMI, o governo não seguiu a linha de extrema austeridade da Grécia e Portugal e, enquanto tomava medidas incomuns –como apoiar a reescrita da Constituição–, desvalorizou a moeda e apostou no turismo para impulsionar a economia. Hoje, o setor é o número um da economia, e a ilha, um dos mais exóticos destinos mundiais do ecoturismo.

Christine Zenino/Flickr

Vista da capital da Islândia, Reykjavík

A Islândia deve receber este ano perto de um milhão de turistas, que pagam (caro) para conhecer de perto paisagens de ficção científica: gêisers, vulcões, cachoeiras, rios glaciais, montanhas, piscinas geotérmicas, campos de lava, aurora boreal. O número de viajantes internacionais supera em três vezes o de habitantes da ilha, e é o dobro em relação a antes da crise.

Leia mais: Clima, erupções vulcânicas e piscinas naturais são atrativos da Islândia

“Vimos que o turismo poderia rapidamente nos ajudar a tirar as pessoas do desemprego, e isso aconteceu”, disse a Opera Mundi Dagur Eggertsson, prefeito da capital Reykjavík e ex-dirigente do partido social-democrata que assumiu o poder em 2009 – atualmente, o partido está na oposição. O turismo superou as indústrias pesqueira e de alumínio, até então maiores fontes de riqueza do país.

Marana Borges/Opera Mundi

Para Dagur Eggertsson, prefeito de Reykjavík, turismo foi visto como oportunidade para tirar pessoas do desemprego

Quem deu o empurrão que faltava para esse boom foi o impronunciável vulcão Eyjafjallajökull, cuja fumaça paralisou o espaço aéreo em 2010. Preocupados com o impacto negativo das notícias, mas aproveitando os holofotes mundiais, governo e setor privado reagiram com uma contracampanha.

Economia dos EUA se recupera e registra maior crescimento desde fim da crise

Juiz norte-americano declara Argentina em desacato por não pagar ‘fundos abutres’

Produção colaborativa viabiliza projetos culturais e científicos de baixo orçamento

 

Localizada entre dois continentes, a Islândia atrai turistas especialmente dos Estados Unidos e do norte da Europa. Estratégias agressivas de companhias aéreas – como escalas de sete dias no país sem custo adicional na passagem, além da abertura de voos de baixo custo – diversificaram a origem dos viajantes, trazendo mais asiáticos e espanhóis.

O problema imobiliário

O repentino crescimento do turismo trouxe, contudo, alguns inconvenientes. O mais notável é a pressão sobre o setor imobiliário, incluindo o crescimento do mercado paralelo de alojamentos. Sem poder arcar com um aumento nos aluguéis entre 30% e 45% nos últimos três anos, os moradores da capital têm sido empurrados cada vez mais para a periferia –deixando o charmoso centro livre para os estrangeiros, especialmente na alta temporada.

Patrick Nouhailler/Flickr

Mapa da cidade no centro de Reykjavík; turismo se tornou principal atividade econômica do país

“Os proprietários estão forçando os inquilinos com duas opções: ou esvaziam a casa durante o verão e depois retornam, ou devolvem o imóvel”, revela Jóhann Sigurbjörnsson, presidente da Associação dos Locatários da Islândia. A reportagem ouviu relatos de pessoas em condições similares. É o caso de Manuel Pita, que trocou o sul da Espanha pela Islândia em busca de emprego. “Pago um aluguel caro, e ainda tenho de procurar outro lugar no verão”, diz

Segundo o prefeito Eggertsson, uma solução eficaz e econômica é construir residências estudantis que funcionem como alojamento para turistas durante as férias de verão, ou mesmo usar edifícios de particulares para esse fim. “Gosto da ideia de partilhar, e isso vai desde a moradia até o transporte”, afirma.

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP

XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP
Este ano, o evento traz à tona discussões que têm pautado o cenário internacional contemporâneo. Os debates tentam construir o diálogo com assuntos específicos que se entrelaçam por diversas áreas e circunscrevem a globalização. Serão abordadas: políticas migratórias; política externa brasileira; conflito e defesa - segurança privada; saúde pública no âmbito internacional: a questão da fome para além do conflito; futuro dos Acordos Preferenciais de comércio, frente a saída dos EUA dos TPP; entre outras questões. 
 
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias