Ao lado de Stedile, Maduro pede 'Lula livre' e diz que Venezuela paga o preço de sua valentia

João Pedro Stedile, dirigente nacional do MST, entregou faixa a Maduro com a inscrição 'Lula preso político'

Redação

São Paulo (Brasil)

Em discurso nesta terça-feira (26/02), durante a Assembleia Internacional dos Povos (AIP), que acontece em Caracas, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, reafirmou a importância de manter a coragem, no momento em que forças conservadoras tentam fragilizar seu governo.

 “Não se é livre, não se é revolucionário impunemente. Há que se pagar o preço da valentia e da coragem. E nós pagamos esplendidamente. Batalhamos pelo destino de nossa nação”, disse.

Antes do discurso, João Pedro Stedile, dirigente nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e articulador da Via Campesina Internacional, entregou a Maduro uma faixa onde estava escrito “Lula preso político”. “Trago um abraço do companheiro Lula, que está preso”, declarou Stedile, aplaudido.

Em discurso na abertura do evento no último domingo (24/02), Stedile já havia denunciado a prisão de Lula. “Lula não está preso, Lula está sequestrado pelo capital internacional, que precisou tirá-lo do processo eleitoral brasileiro para apoderar-se do pré-sal”, disse na ocasião.

Revolução

Maduro se disse satisfeito por seguir o que classificou como “caminho vitorioso da Revolução”, depois de tantas lutas, por direito à educação, ao trabalho, à segurança social, à saúde, paz, convivência. “Depois de tantas lutas, aqui estamos de pé”.

O presidente venezuelano agradeceu à solidariedade e perseverança dos povos irmãos. “Aqui temos coragem, rebeldia para enfrentar o imperialismo norte-americano. Não temos medo, vamos seguir avançando na construção de nosso próprio modelo de país. A batalha pela Venezuela não é só nossa. É uma batalha pela independência, pela paz”.

“Muro da indignidade”

Maduro atacou a “obsessão de Donald Trump, que quer construir um muro que separe o México dos Estados Unidos. Um muro fascista, um muro cheio de racismo, de indignidade e vergonha”. E ressaltou perseguição sofrida pelos irmãos latino-americanos.

O presidente lembrou as conspirações que seu governo vem sofrendo e que sobreviveu a tudo sob a proteção de Deus. Foi quando arrancou risos da plateia, ao brincar afirmando que é marxista e leninista, mas tem certeza que Deus existe.

(*) Com Revista Fórum

Reprodução
Maduro recebeu de Stedile faixa com a inscrição 'Lula preso político'


Comentários