Senado retira imunidade parlamentar de Matteo Salvini

Legislativo italiano abre caminho para que líder de extrema direita seja processado por impedir desembarque de migrantes na sua gestão como ministro do Interior; ele pode ser condenado a até 15 anos de prisão

Redação

Deutsche Welle Deutsche Welle

Bonn (Alemanha)

O Senado em Roma retirou a imunidade parlamentar do ex-ministro do Interior italiano Matteo Salvini, de acordo com relatos da mídia nesta quarta-feira (12/02).

A decisão abre caminho para que o político seja processado por causa de sua política rígida contra refugiados durante seu período como ministro do Interior e vice-premiê italiano.

Salvini, que é chefe do partido de extrema direita Liga, é acusado de "abuso de poder" e "privação de liberdade" por um tribunal em Catania, na Sicília. O resultado da decisão foi exibido brevemente em um placar eletrônico no Senado. Oficialmente, entretanto, o anúncio da medida foi previsto para horas depois.


FORTALEÇA O JORNALISMO INDEPENDENTE: ASSINE OPERA MUNDI



picture-alliance/AP/ANSA/C. Peri
Salvini pode ser responsabilizado judicialmente por rígida política anti-imigração

O caso na Catania ocorreu em julho passado, quando Salvini impediu que 116 migrantes desembarcassem do navio Gregoretti, da guarda costeira italiana. Responsável por um curso linha-dura em política de refugiados quando fazia parte do governo italiano, ele se recusou a permitir que o navio entrasse em um porto italiano por vários dias.

O ex-ministro pode pegar uma pena de até 15 anos de prisão se for condenado. Além disso, Salvini pode ser banido de atividades políticas por até oito anos. Em janeiro, o comitê parlamentar responsável havia votado a favor da retirada da imunidade de Salvini.

Comentários