Acusar governo sírio por uso de armas químicas é "bobagem imunda", diz Putin

Presidente russo mostra, mais uma vez, distanciamento da posição dos EUA sobre intervenção militar na Síria

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, respondeu neste sábado (31/08) às declarações dos Estados Unidos sobre a Síria tachando de "bobagem imunda" as acusações de Washington de que as forças do governo de Bashar al Assad teriam usado armas químicas.

"Dizer que o governo sírio utilizou armas químicas quando o exército da Síria avança" sobre seu inimigo "é uma bobagem imunda", afirmou o líder do Kremlin, citado por agências russas, em um pronunciamento à imprensa na cidade de Vladivostok.

Agência Efe

Putin tem bloqueado intervenções militar na Síria há muitos meses, por meio do veto no Conselho de Segurança da ONU


"Se há provas sobre o uso de armas químicas, estas devem ser apresentadas. Se não forem apresentadas, é porque não existem", enfatizou.

Leia mais: Artista russo procura asilo depois de pintar Putin de lingerie

Putin reagiu assim às ameaças de uma intervenção militar contra a Síria expressadas ontem pelo secretário de Estado norte-americano, John Kerry, que alegou provas irrefutáveis dos serviços de inteligência do país sobre a autoria do governo de Assad no ataque com armas químicas nos arredores de Damasco.

Leia mais: EUA culpam Assad por ataque químico e morte de 1429 pessoas na Síria

"As alusões a não se sabe que intercepções de não se sabe que conversas que não demonstram nada não podem servir de fundamento para tomar decisões tão transcendentes como o uso da força contra um Estado soberano", afirmou Putin.

Parlamento britânico rejeita plano de Cameron para intervir na Síria

Missão da ONU não tem condição de definir quem fez ataque químico na Síria, diz perito

EUA culpam Assad por ataque químico e morte de 1429 pessoas na Síria

 

O líder russo reiterou que as provas, caso existam, não podem permanecer em segredo e devem ser "apresentadas aos inspetores da ONU e ao Conselho de Segurança". "As alusões de que (os EUA) têm essas provas, mas que são secretas e por isso não podem ser apresentadas a ninguém não se sustentam. É simplesmente uma falta de respeito com seus aliados", disse Putin.

O chefe do Kremlin também declarou que a Rússia participará da tomada de medidas de prevenção das armas químicas se for provado que estas foram usadas na Síria. "No que se refere ao uso de qualquer arma de destruição em massa, incluindo as armas químicas, nossa postura é consequente: nos opomos categoricamente, condenamos e, em consequência, se for provado, tomaremos parte na elaboração de medidas de prevenção de tais ações", ressaltou.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou ontem que avalia uma ação militar sem soldados em campo de combate na Síria, pois isso não representaria um "compromisso" bélico a longo prazo. Pouco antes, Kerry disse em Washington que um ataque com armas químicas realizado pelo regime de Assad no dia 21 de agosto causou 1.429 mortes, 426 delas de crianças.

(*) com Agência Efe

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Os supersalários das Forças Armadas

Nossa reportagem levantou todos os salários de militares e encontrou centenas acima do teto, indenizações de mais de R$ 100 mil e valores milionários pagos no exterior